sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

2010/2011

2010 foi um ano memorável.
Foi o ano em que acabei o segundo ano com tudo feito.
Foi o ano em que cometi as maiores loucuras da minha vida, aquelas que se me perguntassem em 2009 ou 2008 se seria capaz vos teria jurado a pés juntos que não.
Foi o ano em que aprendi mais. Sobre mim, sobre os outros, sobre medicina, sobre a vida em geral.
Foi o ano em que senti que cresci mais.
Em 2010 aprendi a não esperar demasiado de toda a gente, mas também aprendi que de algumas pessoas posso esperar tudo de bom.
Fiz novas amizades, perdi algumas das antigas, mas no geral mantive as que valiam a pena.

2010 teve um balanço positivo mas 2011 vai ser ainda melhor.
Beijinhos para todos enviados directamente de Madrid (boa maneira de começar o ano não?)

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Coerência

Ou se quer ou não se quer.
Ou se pode ou não se pode.
Há situações em que nada pode ser cinzento. Nem sempre pode haver um meio termo.

domingo, 26 de dezembro de 2010

Natal


Este ano foi vez de ter um Natal Diferente.
A nossa associação de estudantes pediu ajuda para irmos todos no dia 24 entregar presentes àqueles que não tiveram tanta sorte como nós e passaram o dia internados em hospitais.
Fui ao "meu" hospital e ainda ao Amadora-Sintra. Em ambos fiquei na pediatria e tenho a dizer-vos que esta experiência contribuiu para que este fosse para mim um dos melhores natais de sempre.
Estar lá no hospital e ver a alegria dos meninos e dos pais dos meninos a abrirem os presentes foi (embora soe a cliché) um dos melhores presentes que tive. Muitos daqueles meninos, se nunca tivessem estado no hospital provavelmente nem nunca teriam recebido aqueles presentes. Houve momentos de alegria. É sempre bom ir a correr entregar um presente a um miúdo porque ele já está a sair do hospital e se não der uma corrida já não o apanho, mas também momentos complicados. É triste entrar num quarto para entregar um presente à mãe de um menino que está em coma no Natal. É triste olhar a mãe nos olhos e desejar-lhe um feliz natal e tudo de melhor com o coração nas mãos. É de ficar quase em lágrimas e com o coração nas mãos porque não sabemos se o menino algum dia vai abrir o presente. É triste vermos um bebé de mês e meio que lá está porque está abandonado e parte-nos o coração sair do berçário e deixá-lo na caminha sozinho quando ele devia era estar ao colo de alguém a noite inteira.
Mas o balanço foi muito positivo. Cheguei a casa completamente estoirada mas com um sorriso gigante. De coração cheio. E ainda me deu mais gozo chegar à noite e ver os meus primos contentes, saudáveis e amados naquele frenezim característico até à chegada do pai natal.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Jantar Drama Queens

Hoje foi dia de jantar de Natal com as Drama Queens (a Morce, a Saroka e a Sofia).
Já que a Morce não pode elogiá-las pelo jantar porque passou a semana toda a dizer mal da capacidade que elas poderiam ter para cozinhar, eu própria, que sempre disse que elas deveriam ser excelentes cozinheiras, me pronunciarei sobre o assunto. O jantar estava fenomenal! Os camarões (se eu tiver uma intoxicação alimentar já sabem...), as pizzas, o bolo rei, a pavlova com amoras, tudo caseiro e tudo delicioso e claro, acompanhado de momento drama!
E depois sing star! E fotos! Muitas fotos! E presentes!!!
Prometo depois uma exposição de presentes ao melhor estilo da pipoca para vocês se rirem porque a juntar aos presentes que já tinha recebido no jantar de turma tenho a dizer que a originalidade dos meus amigos este ano está em alta!
E agora vou dormir que amanhã é dia de ser boa pessoa e me levantar cedo. É só uma vez no ano, não custa assim tanto. Deviam fazer o mesmo seus preguiçosos!

Feliz Natal!!!

Aos meus seguidores, aos que não são seguidores mas que mesmo assim vêm cá. A quem me lê na Suécia, EUA, Malásia e outro cantinhos do mundo.
Àqueles que vêm cá porque me conhecem e querem saber novidades e a todos aqueles que mesmo sem me conhecerem passam por cá.

UM FELIZ NATAL E UM 2011 CHEIO DE COISINHAS BOAS:D

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Gosto

Gosto que me digam coisas bonitas. Até podem ser assim a atirar para o lamechas, não me importo.
Gosto de convites para ir ver o pôr-do-sol ali à praia mesmo estando a chover torrencialmente.
Gosto de ser a companhia preferida de alguém.
Gosto que me façam rir.
Gosto de mensagens de bom dia e de boa noite e de mensagens só a perguntar como foi o dia só porque sim.

E tenho um medo gigante de criar expectativas.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Temos sol?

Passo a passo as coisas vão-se reconstruindo.
E por agora não sei mais nada. Não sei o que quero, o que sinto, o que espero.
Só sei que até agora estamos perto de um começo perfeito.
Resta saber o que é que se começa... se é que se começa alguma coisa:)

domingo, 19 de dezembro de 2010

O Maravilhoso Feiticeiro de Oz

Ontem foi dia de teatro. Mas de ver a peça do lado de fora.
Foi tão estranho entrar nos camarins com o T. e ver já todos vestidos e concentrados para entrarem e eu cá fora...
Estavam todos lindos! Os espantalhos, os homens de ferro, o leão, as Dorothys, os tios, os trabalhadores do campo, o feiticeiro, as bruxas, todos todos todos estavam lindos! E representaram muito bem. Tão bem que fiquei cheia de orgulho de todos eles, até mesmo daqueles que mal conheço. Revivi uma história que desde muito pequenina me lembro e passei toda a peça com um sorriso na cara de orelha a orelha! Até o T. que estava cheio de sono antes da peça começar e que só me dizia que achava que ia adormecer adorou a peça e fartou-se de rir.
Muitos muitos parabéns a todos! Não digo nomes porque seria provável que me esquecesse de alguém, principalmente dos novos, mas um beijo gigante para TODOS os que tornaram esta peça possível e mágica.

Jo: Então T., gostaste da peça?
T: Sim, foi "muita fixe"! Eles representaram muito bem!
Jo: Ficaste com saudades de teatro?
T: Já tinha! Até quando tinha teatro já tinha saudades às vezes nas férias!
Jo: Agora no próximo ano voltas a ter e matas as saudades!
T: Sabes o que é que eu acho? (Pára. Pensa.) Posso dizer aquela asneira que disseste há um bocado?
Jo (a pensar que ainda bem que ninguém mais estava lá no carro para ouvir): Podes, mas só hoje e é porque é em contexto de teatro.
T: Ok. Acho que é uma merda terem-nos tirado o teatro no 5º e no 6º ano! É que é muita estúpido! Só temos aquelas porcarias de estudo não sei o quê e formação blá blá blá e tiraram-nos o teatro! E isso é muita estúpido!
Jo: Pois... se calhar tu já nem te lembras, mas no 1º ano, quando eras pequenino não gostavas de teatro...
T: Não gostava?
Jo: Não...
T: Oh, isso era porque eu achava os exercícios parvos. Mas depois passei a achar giros! Especialmente quando faziamos as peças! E o Victor é muita fixe!

sábado, 18 de dezembro de 2010

Eu sei lá...

Elas dizem: "É só tu quereres!"
A questão é... eu sei lá o que é que quero...

A AEFML têm o prazer de te convidar a estar presente naquela que será uma das Palestras mais badaladas do ano: "Humor em Medicina".Contando com a presença da presidente da "Operação Nariz Vermelho", Professor Vaz Carneiro e do Humorista Ricardo Araújo Pereira este momento de carácter formativo promete ser salpicado de Humor, Ética Médica, e debate aceso de ideias.
E quem é que já está a contar os dias para lá estar quem é?:D


sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Férias!!!

Finalmente férias!
E acabei em grande!
O J. arranjou hoje emprego e ainda por cima um excelente emprego(Wwwwweeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee);
A Dra. Maria do Carmo Fonseca ganhou o prémio pessoa (wee);
Ontem tive o melhor jantar de turma de sempre (Weeeeeeeeeeeeeeeee);
Também ontem fui à festa da escola dos meus primos e foram claramente os dois os mais giros da festa (weeeeeeee);
Amanhã vou ao teatro e o T. fica a dormir cá em casa (weeeeeeee).
E depois há outras coisas que também me fazem ficar contente mas se daqui a uns tempos se justificar passo por aqui a contar.
E são férias de Natal e eu adoro o Natal e hoje vou dormir umas 1000 horas para compensar a falta de sono desta semana e estou super feliz só porque sim:)

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Trá lá lá, trá lá lá

Já vos disse que adoro o Natal?:D

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Momentos de hoje 2

C: Vou dizer-te um segredo!
Baixo-me para ficar à altura dela e ela sussurra-me ao ouvido.
C: Gosto muito de ti! E quero brincar muito contigo!
Jo (também em segredo): Também gosto muito de ti, e vou gostar sempre!
C: Diz que também queres brincar comigo!
Jo: Também quero brincar muito contigo.
C: Tenho outro segredo. Também quero ver filmes contigo. E gosto muito muito muito muito de ti.
Jo: Então também tenho outro segredo. Um dia vamos as duas ao cinema sozinhas ver um filme de princesas.
A C. faz aquela cara de surpresa, de boca aberta, como se tivesse acabado de ganhar a lotaria. E depois diz
C: Diz que gostas de mim!
Jo: Gosto muito de ti sempre!
C: Quero miminhos!
Jo: Então vamos para o sofá ver um filme, ficas ao meu colo e eu dou-te miminhos.
E assim foi.

Momentos de hoje 1

Tia: A prima é linda não é C.?
C: Sim, muito linda!
Tia: É a mais linda do mundo não é?
C: Sim!!!
Pausa. A C. pensa no que acabou de dizer e corrige.
C: O arco-iris também é muito bonito...

Pronto... aceito que o arco-iris seja mais bonito. Mas para ela, venho logo a seguir:)

sábado, 11 de dezembro de 2010

Super-poderes

Dizia-me o HM que no outro dia na consulta de psiquiatria lhe tinha aparecido um doente que já há bastante tempo não dava sinais de vida porque tinha o problema controlado.
Acontece que o problema era que o rapaz via monstros verdes que andavam atrás dele.
Sorte a dele, apesar dos monstros ele tinha super-poderes e podia dar cabo dos monstros quando eles apareciam!
Acontece que com a medicação já há bastante tempo que os montros não vinham. Infelizmente para ele, com a medicação os poderes também se foram!
Portanto, e porque é muito melhor ter super-poderes e ver montros do que não ter super-poderes mesmo que os montros verdes não andem atrás de nós a tentar arrancar-nos a cabeça, o rapaz parou a medicação! (se fosse eu se calhar também parava, às tantas ele tinha super-poderes daqueles que toda a gente quer ter: invisibilidade, voar, visão raio-x, fulminar monstros com os olhos...).
Próxima fase: diminuir a medicação o suficiente para deixar de ver monstros mas manter os super-poderes! Espectáculo!!!

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Mas porque é que tenho um blog?

Fizeram esta pergunta à IL aqui há uns dias e ela pensou, pensou e... acabou com o blog.
Eu pensei, pensei e... não vou acabar com o meu.
Comecei este blog há mais de dois anos, quando na altura me estava a candidatar à universidade pela segunda vez. Tinha-me candidatado a Espanha e fiquei colocada na Universidade de Navarra, só uma das melhores universidades de medicina na Europa.
Daí veio o nome do blog. "Viagens por sentimentos" porque ia iniciar uma viagem e porque calculei que fosse precisar de um sítio para depositar todos os sentimentos que se seguiriam. Além disso o blog seria sempre uma maneira de pôr os meus amigos (a Butta, a Nokas, a Incógnita...) a par daquilo que por lá se passava. Uma espécie de diário público de viagem.
Entretanto entrei cá e por motivos económicos (convenhamos que é bem mais barato andar numa pública relativamente perto de casa do que numa privada quase em França) e também pessoais (que sim, sou menina dos papás), acabei por cá ficar. Tem dias em que penso que devia ter ido, que se calhar era melhor em termos de carreira e de experiência de vida, mas não me arrependo da decisão que tomei.
Cá ganhei muitas coisas, fiz novos amigos, tenho aprendido muito e tenho aproveitado ao máximo. Tive um grande amor, tive milhões de histórias, tive momentos de chorar a rir e de rir a chorar. Regra geral, um balanço positivo. Se tivesse ido também teria tido outras histórias, mas não seriam as mesmas e eu gosto das que tive.
No meio disto tudo a viagem acabou por ser cá dentro, mas não deixou de ser intensa e, tal como previa, o tempo para manter os amigos a par das novidades foi e é efectivamente escasso.
Por isso mantenho o blog.
E arranjei novos "amigos" aqui. Pessoas que ficam contentes quando eu estou contente e venho aqui escrever parvoices e pessoas que me vêm consolar quando estou mais em baixo e, acreditem, essas palavrinhas muitas vezes ajudam.
Por isso o blog continua. Porque esta viagem ainda não acabou, porque ainda há gente que vem cá para ler as minhas parvoices, porque simplesmente gosto de ter onde escrever sem ser no bloco verde que guardo na estante. Porque gosto de ter feed-back de pessoas que conheço mas também das que não conheço, porque essas são imparciais.
Por isso promete-se dar continuidade ao blog durante mais uns bons tempos.
Porque me apetece.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Congresso

Vou então tirar uns minutinhos para vos falar do maravilhoso congresso a que fui esta semana.
Sim, é verdade, já estamos super crescidos e já somos convidados para ir a congressos, olha que finos!
Não, estejam descansados, não vos vou chatear com as partes técnicas da coisa. O congresso foi de psiquiatria e confesso que adorei. Aprendi algumas coisas, percebi todas as palestras (excepto aquelas que foram dadas em idioma próprio como mais à frente falarei), e acima de tudo diverti-me imenso.
  • Percebi que nós fazemos posters como ninguém. Não acredito que haja alguém no meu ano que faça posters piores do que alguns que lá estavam. Desde fundo cinzento com letra preta até posters que simplesmente eram um artigo impresso numa folha maior houve de tudo.
  • Comi alarvemente. Não nos quiseram dar o almoço, pelos visto o convite da faculdade não o incluia. Vingámo-nos nos coffee breaks. Não sei quantos mini croquetes, queques, folhados de salsicha, sumos de laranja naturais, gelados cornetto soft, pasteis de nata e sandesinhas comi nestes 3 dias. Era tudo grátis e à descrição como se quer, uma pessoa tem de aproveitar.
  • Percebi que não saber falar inglês não é impeditivo para quem quer que seja de dar uma palestra em inglês. Fala-se em "ligations between the arteries", diz-se "I does" ou junta-se um toque de português e faz-se "mas on the other side". Ninguém percebe nada mas o pessoal sempre tem um momento lúdico.
  • Ganhei canetas para o resto da vida. Trouxe mais de 30 canetas para casa no primeiro dia. Claro que todas elas têm o nome de um medicamento escrito, mas ainda assim são canetas e não sou esquisita com essas coisas (sempre ouvi dizer que a cavalo dado não se olha o dente). Além disso ganhei blocos, pastilhas elásticas, bolas de natal personalizadas (!!!), daquelas bolinhas anti-stress, caixinhas para guardar clips, pens de 2 GB, coisas para limpar o teclado do computador, post-its, agendas, malas para o computador, lapiseiras... enfim, uma pequena fortuna em coisas. Eram tantas que no primeiro dia tive de ir ao carro 3 vezes pôr sacos que já dava mau aspecto andar a passear-me pelo recinto do congresso com aquilo tudo atrás. E quando eu já não queria mais nada vinham ter comigo e perguntavam-me se não me podiam oferecer mais canetas/blocos/post-its etc... e eu lá tinha de aceitar. Tenho a ligeira impressão de que se for às compras este fim-de-semana até me vou esquecer de pagar tal foi o hábito que ganhei a simplesmente meter as coisas dentro do saco.
  • Toda a gente me diz meio na brincadeira: "VENDIDA!". Nada disso, eu ainda nem posso passar receitas a ninguém! E os senhores fazem tanta questão em oferecer que eu não posso recusar coitados, ainda ficavam ofendidos sem necessidade nenhuma.
  • A partir de agora estarei em todos os congressos/simpósios/conferências que me paguem (sim, porque se não me tivessem oferecido queriam que pagasse mais de 100 euros pelos 3 dias... como se já não chegassem as propinas), por isso indústria farmacêutica, faculdade, estou à vossa disposição. Ouvi dizer que lá para Março/Abril há um congresso de cardiologia. Fico à espera de novidades. Eu acho que até tem muito a ver com a matéria que estamos a dar este semestre, iamos ter muito melhores notas e ser muito melhores médicos. Façam lá o esforço sim?

domingo, 5 de dezembro de 2010

Dos presentes

Já vou quase a meio das minhas compras de Natal.
Impressionante como há coisas que nunca mudam:
  • O meu pai e o meu avô são sempre as pessoas para as quais compro um presente à última da hora, nunca sei o que lhes hei-de dar.
  • O T., o K. e a C. são sempre os primeiros e só tenho pena de não ter orçamento ilimitado para lhes comprar presentes porque tenho sempre milhões de ideias para eles.
  • Mesmo sem ter jeito nenhum para trabalhos manuais de qualquer espécie acabo sempre por me aventurar numa coisita ou outra e normalmente não corre mal (aí está uma coisa que acho que este ano pode mudar).
  • Perco sempre horas a embrulhar presentes. Gosto de ser eu a fazer os embrulhos. Não que faça melhor do que as senhoras das lojas, longe disso, simplesmente faz parte do meu espírito natalício embrulhar presentes a ouvir músicas de Natal.
  • Compro sempre uns dois ou três presentes a mais daqueles neutros de que toda a gente gosta mas ninguém adora (chocolates ou doces em geral) só para aquelas pessoas que na altura de Natal me vão aparecer à frente e para as quais me esqueci de comprar presentes.
  • Acabo sempre por entrar naquele esquema do se-dou-a-ele-tenho-de-dar-a-ela-e-se-dou-a-ela-tenho-de-dar-à-outra-e-se-dou-à-outra-tenho-de-dar-ao-não-sei-quantos and so on... detesto mas é inevitável.

sábado, 4 de dezembro de 2010

So true


Da semana

O meu carro vai ser promovido a lugar comum. Agora já só é preciso dizermos umas às outras: "queres ir ao carro?" e já sabemos o grau de gravidade do problema.
Estou mesmo a ponderar fazer cópias das chaves do carro e distribuí-las pelo pessoal da faculdade. É que para todos aqueles que ainda tinham alguma dúvida, o prof de saúde mental fez o favor de esclarecer na última aula que a nossa vida como futuros médicos será "uma p*t* de uma vida" (espero que ele não diga isso aos pacientes dele que fazem ameaças de suicídio).
Mas não era disso que vinha falar-vos hoje, até porque neste momento a minha vida não se assemelha sequer um pouco à descrição do prof de saúde mental, estou muito bem disposta, é quase NATAL:D
Vinha falar-vos das nossas aulas de introdução à clínica.
Cada vez mais admiro os médicos que efectivamente sabem utilizar um estetoscópio como deve de ser e sabem ouvir aquilo que efectivamente se passa "lá dentro".
É que se a auscultação cardíaca foi catastrófica a pulmonar foi pouco melhor.
Tudo começa quando na descrição de um dos sons nos dizem que o som tal se assemelha a um "polichinelo". Mas o que é que eles acham? Não só não percebemos nada do som como ainda não sabemos o que é um polichinelo. Sentimo-nos duplamente burros! (mas fui logo ver o que era quando cheguei a casa)
Depois vêm as outras descrições:
"Este é uma porta a ranger"
"Este é o fogo de artifício"
"Este é uma pomba afónica"
"Este é quando se bebe o leite pela palhinha"
"Este é a trovoada ao longe"
"Este é uma pessoa a sentar-se e a levantar-se de um sofá"
E isto até parece giro-e-fácil-e-é-só-dar-lhe-o-nome-certo-depois mas desenganem-se!
Assim que se põem um som nas colunas para todos ouvirmos começa logo a cena de quase pancadaria:
"É a porta", "Não é nada, é a trovoada", "Qual trovoada qual quê, é mas é a palhinha" até chegarmos à conclusão de que não é nada e é só uma respiração normal.
É um drama é verdade, neste momento a respiração normal já não me parece normal de todo e a minha decididamente também já foi mais normal. Depois de 2 horas a ouvir diferentes respirações uma pessoa fica meia avariada.
Portanto e só para concluir isto: Um dia, muito em breve (de preferência até ao OSCE de introdução à clínica no fim de Janeiro) eu vou estar pró a distinguir os sons. Até lá vou-me divertindo com as nossas aulas.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Caros senhores da propaganda médica:

Já tenho bloquinhos que cheguem, assim como canetas azuis/pretas.
Os post-its também já são dispensáveis porque a minha técnica de estudo foi re-adaptada e a utilização de post-its ficou bastante reduzida. Os que tenho ainda devem chegar para este semestre.
A época de exames aproxima-se, estamos a menos de dois meses, e acho que podiam começar era a dar daqueles marcadores fantásticos para sublinhar.
Podiam dar em várias cores, eu ficava contente, mas como os tempos estão complicados, e eu percebo isso perfeitamente, podiam apostar nos marcadores amarelos que são os que gasto mais, sim? É que já estou a acabar o segundo, uma pessoa farta-se de estudar, a despesa aumenta e este mês há que poupar!

sábado, 27 de novembro de 2010

Sabem...

...há quanto tempo é que eu não compro uma caneta azul/preta, post-its ou bloquinhos de notas?

Eu também não.

Viva a propaganda médica!!!!!!!

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Pérolas de hoje

Porque nem tudo foi mau e só com isso é que se aguentaram as 12 horas no hospital.

Hoje foi dia de hospital dos pequeninos, por isso logo após a história do carro foi tempo de ir lavar a cara, vestir a bata e toca de ir tratar de homens-aranha, peluches de todos os tamanhos e feitios, etc...

Jo: Olá! Como é que te chamas?
Pequenino 1: Guilherme.
Jo: E quantos anos tens Guilherme?
Pequenino 1: 5
Jo: E o que é que queres ser quando fores grande?
Pequenino 1: Quero ser Guilherme!
Jo (a tentar não se desmanchar a rir): Queres ser Guilherme? Fazes tu muito bem!
Pequenino 1: Pois faço!

Jo: Olá! Então como se chama o teu boneco?
Pequenino 2: Chama-se homem de areia.
Jo: E o que é que se passa com o homem de areia?
Pequenino 2 (com cara de quem está a pensar epá, esta tipa não percebe nada disto): Engoliu areia!

Jo: E sabes para que é que serve esta máscara?
Pequenino 3: Sei!
Jo: Então diz-me lá, é para quê?
Pequenino 3: Não sei!

E houve muitas mais histórias, mas agora quero é ir dormir que amanhã seguem-se outras 12 horas na faculdade.

P.S.: Já quase me esquecia. Afinal em vez de 12 horas em Lisboa foram 13. Uma delas passada com a LL que quando eu estava mortinha por me vir embora para casa, já completamente congelada depois de meia hora de conversa à entrada do metro com o TD, conseguiu perder o cartão dela do estacionamento. E depois tivemos de virar tudo ao contrário para encontrar o cartão que teimava em não aparecer e já nos estava a ver a pagar 30 e tal euros pelo estacionamento, mas o maldito lá apareceu e lá pude finalmente vir para casa!

E agora DORMIR!

Mas depois há a IL

A IL é uma amiga super fixe.
E porquê, perguntam vocês?
Pois eu digo-vos. A IL desmarcou um café que tem estado a adiar há não sei quanto tempo para ir ter comigo porque achou que eu devia precisar.
Por isso a IL acabou por ficar meia hora fechada no carro comigo. E eu chorei. E ela chorou também por solidariedade. E chorámos até os vidros do carro ficarem todos embaciados. E depois rimos porque os óculos dela ficaram embaciados. E depois ela começou a dizer porcarias e eu comecei a dizer porcarias e tudo ficou melhor.
A IL é a maior porque mesmo tendo-me olhado mais do que mil vezes com aquele olhar que diz "eu avisei-te mil vezes que isto mais cedo ou mais tarde ia acontecer" e com o outro olhar do "és burra que dói", nunca o chegou a dizer (embora eu ache que de amanhã não passa).
A IL é a maior porque durante o dia de hoje, mesmo quando eu disse parvoices não gritou comigo e porque me deixou ganhar-lhe nos matraquilhos vezes e vezes sem conta de seguida (na realidade eu ganhei-lhe porque jogo muito melhor do que ela, mas ela gosta de pensar que fez uma boa acção com isto).
A IL também é a maior porque quando eu disse parvoices ela ameaçou atirar-me da escada abaixo e isso ajudou-me a pôr as coisas em perspectiva.
A IL também é a maior porque passou o dia todo a dizer que vai na volta e ela é horrível. E mesmo que não seja, eu por enquanto quero acreditar que sim. Não me levem a mal, não desejo nada de mal ao rapaz, muito pelo contrário, que já lá vai mais de um ano e meio e ele tem mais é que refazer a vidinha dele, mas só nos próximos dias vou imaginá-la como um ser horripilento e com muitas verrugas.
A IL escreveu no blog dela "Às vezes dói. Sejamos francos, às vezes dói com'ó caraças! Mas passa. Passa sempre" e eu acredito. Não só porque é ela que diz e ela do seu metro e meio de altura tem quase sempre razão, mas porque sei que é verdade.

Mas por enquanto ainda dói "com'ó caraças".
Mas amanhã vai passar. E se não for já amanhã é no dia a seguir. Há-de passar:)

2nd round

Há dois momentos marcantes quando um homem e uma mulher se separam.
O primeiro é a própria separação.
Depois pelo meio há assim umas coisas que são tudo mas não são nada.
O segundo é quando ele arranja outra namorada.
Hoje foi dia de saber o segundo. Hoje não foi um bom dia.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Dilema

Se eu enquanto aluna nunca ou quase nunca me dei ao trabalho de ir ver as bibliografias recomendadas para as aulas, qual é a probabilidade de os miúdos irem ver o link para o artigo fantástico que encontrei sobre punções lombares?

Bem, fica lá no fim do power point, mal não há-de fazer...

Dia de greve


Nada como aproveitar a greve para ir matar saudades daqueles com quem já não estava há mais que muito tempo. Portanto, a manhã passou-se na escola onde cresci, onde vivi 15 anos da minha vida.
E foi tão bom, as conversas com a Su e com a P.C., os miminhos da P.K., o abraço gigante da Incógnita... tudo tão bom!

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Factos

Pois que aqui está um post inteirinho dedicado a mim.
As 6 palavrinhas aqui expressas são verdadeiras e vêm de fonte fidedigna:p

Friends' zone

Sem desesperos IL.
A friends' zone não é tão má como a pintam nem tão pouco um ponto sem retorno;)

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Anos do T.

Na 4ª feira foram os anos do T. e por isso fui a casa dos meus tios.
Já lá não ia há 2 semanas e uns dias e já tinha saudades dos meus meninos.
Quando cheguei lá a casa ainda só lá estava o T., histérico com os presentes de anos todos que tinha recebido. Mostrou-me tudo e estivemos a brincar com as pistolas que lhe deram.
Pouco depois chegaram a C. e o K.
A C. assim que me viu veio a correr. Baixei-me para a abraçar e ela veio com tanta força que me ia deitando ao chão. O K. limitou-se a dizer "Olá pima", deu-me um beijo bom, porque lhe pedi, e foi para o sofá.
A C. disse logo "vamos bincá pima?". E fomos.

Jo: Tinha muitas saudades tuas piqui.
C: Também tinha, mas sabes, eu "agóa" tenho uma pima nova!
Jo: Ai sim?
C: Sim.
Jo: E como é que se chama a prima nova?
C: Chama-se "Shkak"
Jo, já com uma certa dose de ciúmes da Shkak: A sério? Que sorte! E que idade é que tem a Shkak?
C, a contar pelos dedos: Tem um, dois, três, quatro, CINCO anos!
Jo: Ah, a Shkak já é muito crescida. E tu brincas muito com ela?
C: Sim! Ela vai sempre buscar-me à escola e depois ficamos em casa a fazer puzzles e a ver filmes.

Portanto, fui substituída por uma prima imaginária que ainda por cima é muito mais "fixe" do que eu. Para começar tem 5 anos, logo aí bate-me aos pontos. E ainda por cima vai TODOS OS DIAS buscar a C. à escola.
Durante o resto da tarde a C. não falou mais na Shkak (Toma lá Shkak! Quem é a melhor, quem é???).

À noite, já depois do jantar fui-me embora. Despedi-me do T. que já estava cheio de sono, da C. e por último do K.

Jo: Adeus K. Gosto muito de ti.
K: Adeus pima. O K. também gosta muito de ti.
Beijinho muito bom que nem tive de pedir e abracinho.
K: O K. também tem saudades tuas.

E pronto, uma pessoa derrete-se toda. Claro que o enchi de beijinhos e abraços e ainda lhe fiz um ataque de cócegas antes de me ir embora.
Claramente para a C. já ter uma prima imaginária e o K. dizer que tinha saudades minhas (não imaginam como é raro o K. expressar sentimentos, sejam eles quais forem) é sinal de que tenho de passar mais tempo com eles.
Neste próximo fim-de-semana tenho de lá ir. Senão qualquer dia até o K. e o T. são amigos da Shkak.

domingo, 21 de novembro de 2010

Planos


Estive a pensar. Preciso de sair daqui. Faz-me falta viajar, cá dentro, lá fora, onde quer que seja.
E giro giro era se pudesse misturar viajar e estudar.
E é por isso que já tenho 2 planos para os próximos tempos.
Em Agosto/Setembro faço um CEMEF (curtos estágios médicos em férias). Viajo cá dentro, por um preço bastante simpático, e ainda conheço outros hospitais. Sou capaz de ir para o Norte, que conheço tão mal. Porto, Braga... por aí.
E no próximo ano, também por essas alturas, faço um Intercâmbio Clínico. O destino, esse ainda não está pensado, as hipóteses são mais que muitas: Espanha, Inglaterra, Brasil, Europa de Leste... está tudo em aberto.

E vai-me saber muito bem, oh se vai:)
Mas primeiro, ESTUDAR! Para ver se consigo saber a teoria todinha para a clínica ser MUITO mais gira:)

sábado, 20 de novembro de 2010

Com a verdade me enganas

Jo: Vamos embora?
Mãe: Vamos! Já estamos atrasadas! Estiveste a chorar?
Jo com o melhor tom irónico que conhece: Estive estive...
Mãe: Estás com o nariz vermelho!
Jo: Estive a experimentar o esfoliante novo.
Mãe: Ai filha, és sempre a mesma coisa, não tens cuidado nenhum com a tua pele! Blá blá blá blá blá blá e puseste creme ao menos?? blá blá blá

Às vezes, ainda dói

Punção lombar

Esta semana vou ensinar a fazer uma punção lombar.
Eu nunca fiz uma punção lombar e o mais próximo de ver uma que estive foi na Anatomia de Grey ou no Dr. House.
Tem a sua piada não?

domingo, 14 de novembro de 2010

Adeus pecado

E agora parece que acabou de vez "O Pecado".
Foi um dia fantástico, em muito boa companhia, de rir até chorar e ficar com a barriga a doer.
Diz quem foi assistir que a peça correu bem, e quem já tinha visto em Cascais no Verão disse que agora ainda tinha sido melhor. Eu adorei representar "O Pecado" uma última vez, senti-me muito bem em palco e amanhã ou uma dia em breve dou mais pormenores porque agora estou simplesmente K.O. (mas super feliz!)

sábado, 13 de novembro de 2010

24 horas

Daqui a 24 horas já vou estar a sentir aquele cheirinho do palco outra vez. Vamos estar todos juntos a entrar em pânico porque nos esquecemos de coisas em casa, porque nos esquecemos do texto, porque não encontramos as lanternas, porque ainda não chegou muita gente, porque não tarda nada a sala está cheia, porque simplesmente vamos mostrar a nossa peça mais uma vez.
Daqui a 24 horas algumas das pessoas mais importantes da minha vida vão estar a pensar o que raio ando eu a fazer lá para dentro dos camarins, se a peça será boa, se vai correr bem, se vou cair em palco outra vez (acho que é por isso que os meus pais vão ver a peça pela 3ª vez, devem ter esperança que a "Rita" caia em algum momento da peça).
Daqui a 24 horas o almoço não vai descer por causa daquele nozinho no estômago tão característico, para mim, de peças de teatro e orais de anatomia.
Daqui a 24 horas a L.L. vai estar a dizer aos pais e irmão, que não me conhecem, que eu sou a que faz de mãe na segunda parte.
Daqui a 24 horas (bem, na realidade, neste último mês) a minha avó vai estar a dizer que o meu gosto pelo teatro vem dela, que toda a vida ela quis ser actriz. E o meu avô vai estar a perguntar pela milésima vez "mas a peça é sobre homossexuais, é?".
Daqui a 24 horas o V. vai estar a dizer que somos lindos e que vamos dar um grande espectáculo ou a dizer que a peça está uma m**** e que tem vergonha de a apresentar (tudo depende de como correrem os ensaios gerais).
E também daqui a 24 horas começa o stress de os rapazes que não sabem pôr base e das meninas que não sabem pôr risco nos olhos.

Daqui a 24 horas vou estar super feliz sabiam?

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Nerdice


Percebo que atingi o expoente máximo da minha "nerdice" quando descubro que na reprografia estão os apontamentos que fiz no ano passado sobre bioquímica fisiológica e que é por lá que os segundos anos estão a estudar para as práticas.
Se calhar está na altura de arranjar uma vida...
E eles ainda não viram os resumos de neuroanatomia. Aí até vão chorar de alegria:p

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Convite

O convite que fiz à Incógnita estende-se aos meus outros seguidores:
Dia 14 de Novembro (domingo) no Auditório Municipal de Vendas Novas às 17 horas quero-vos lá!

domingo, 7 de novembro de 2010

É aquela sensação...

... de estar a fazer uma coisa errada, saber que está mal, que vai dar mau resultado e mesmo assim, não conseguir parar.

sábado, 6 de novembro de 2010

E falando de coisas bem mais animadas


E quem é que vai estar aqui no próximo domingo, quem é?
De volta ao grupo, de volta aos ensaios, de volta ao palco, de volta ao nervoso miudinho, de volta a' O Pecado...
Vai ser BRUTALLLLLLLLL!:D

Coisas

Há coisas que valem a pena e pelas quais vale a pena sacrificar coisas boas. E pouco importam as consequências e passa-se por cima de montanhas, de obstáculos, de pessoas, de amigos, do que quer que seja.
Há outras pelas quais não vale a pena de todo.
Há outras pelas quais nunca vamos saber se teria ou não valido a pena sacrificar as coisas boas que temos.
E esta é uma dessas coisas. Nunca vou saber.
Porque se há coisa que não quero agora é estragar as coisas boas que tenho para ganhar uma que pode ou não ser boa.
Assim sendo, amigos amigos, e mais do que isso não vai ser comigo enquanto achar que isso pode magoar alguém.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Microbiologia parte II

Em primeiro lugar, muito obrigada a todos pelas mensagens, pelos comentários e pelos telefonemas, são uns amores, não era preciso tanto:)
A aula correu bem, podia ter sido melhor mas superou qualquer pesadelo que pudesse ter tido até ao momento.
Fiquei muito feliz por estar de bata porque assim não se notava que estava a transpirar tipo torneira nos primeiros dez minutos. Depois disso, tudo quase perfeito. Alunos "normais", pouco faladores mas participativos q.b.. Não houve perguntas estranhas, tudo dentro do normal e expectável.
Agora só tenho de me preparar psicologicamente para ficar até ao fim do semestre todas as 5ªs e 6ªs 13 horas na faculdade por dia. Mas nada de extraordinário, até que me diverti na aula.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Microbiologia parte I (stress pré-traumático)

A matéria está vista e revista.
Amanhã vai ser a minha primeira aula como monitora de microbiologia.
Confesso que os nervos são alguns. No ano passado não me quis meter nisso (eu??? monitora de anatomia??? Já me custou o suficiente assistir àquelas aulas uma vez!). Agora este ano já está.
Vou dar bocadinhos de aulas e ainda algumas aulas completas (eu... duas horas sozinha a falar...).
E é um bocadinho assustador pensar que os alunos só têm menos um ano do que eu. Alguns talvez sejam mais velhos, amanhã logo vejo.
E se há algum crâniozinho que saiba a matéria toda e comece a pôr-me dúvidas difíceis??? Tenho noção de que há coisas que não sei, e mais que muitas coisas que não me lembro. E se eles forem daqueles que estudam a matéria à frente do que está a ser dado nas teóricas??? Eu só revi o que eles já deram, ainda não tive tempo de rever o que vão dar!
E os antibióticos??? Espero que não me façam perguntas de antibióticos...
Ai que medo...

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Da faculdade e do "estudo"

Aula de epidemiologia
O professor está a falar sobre qualquer coisa de problemas cardíacos. Nós estamos a falar de tampões e outras temas igualmente interessantes. A culpa nem é nossa, nós bem que queríamos tomar atenção, mas dão-nos cadeiras que no fundo no fundo são mas é estatística e aquilo tem muito pouco a ver connosco. De repente aparece uma pergunta nos slides:
Em qual das seguintes populações é mais prevalente a ocorrência de DAC?
a) Homens
b) Mulheres
c) Ambos
...
Com um ar extremamente erodito, viramo-nos uns para os outros para partilharmos as nossas respostas.
A.G.: Homens!!
Jo: É nos homens, só pode, esta é óbvia...
P.S.: Claro que é nos homens!
I.D.: Nos homens
I.L.: O que é DAC?

Paramos os cinco, para nos apercebermos de que Problemas Cardíacos não corresponde bem às siglas DAC.

Risota geral.

Resposta oficial: Homens.
É que somos mesmo bons, nem precisamos de saber sobre o que é a pergunta para acertarmos a resposta:p

E já agora, DAC: Doenças do Aparelho Circulatório. Não andávamos muito longe. Entre as conversas de tampões ainda deu para ficarmos com uma boa ideia geral da coisa.


"Estudo" pré-aula de introdução à clínica
O pânico é geral. Não conseguimos ainda perceber as diferenças entre os vários sons cardíacos. Uns são pum pum, outros pum pu rum, outros prum pum pum, outros pum pfffffff prum... enfim, uma animação.
Já cansados de ouvir sons porque, acreditem, ao fim de uma hora a ouvir estes sons já parece tudo igual, e ainda só tinhamos tido uma aula (com a segunda tudo ficou bem pior) e anda tudo um bocadinho baralhado, desistimos de estudar os sons e passámos a estudar o protocolo. Basicamente é aquilo que temos de fazer com o paciente e com a estetoscópio para ouvirmos os vários sons: mandar sentar, mandar deitar, aquecer o estetoscópio, ouvir de um lado, ouvir do outro...
Váris horas de estudo depois:
L.L.: Uma dúvida. Quando dizemos ao paciente para se deitar em decúbito lateral esquerdo, quer dizer para se deitar com o braço esquerdo para baixo ou virado para o lado esquerdo?
I.L. e Jo olham uma para a outra e tentam visualizar ambas as situações como que a questionarem-se como é que nunca tinham pensado nisso. Meio segundo depois...
Jo: L.L., é a mesma coisa... Decora como quiseres...
Risota geral.
E assim se prova que dormir cerca de 12 horas em 3 dias é mais do que suficiente.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Festas + Práticas às 8 da manhã

Não é boa ideia ter aulas práticas às 8 da manhã quando houve festa no dia anterior. Claramente dormir 3 horas não chega para conseguir andar a direito quanto mais ouvir alguma coisa do que está a ser dita na aula.
Assim que vou levar uns palitos para manter os olhos abertos. E se precisarem de mim, a partir das 10 estarei a dormir no sofá da sala de alunos.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Massagens II

Cheguei agora a casa.
Estou prontinha para dormir nos próximos 2 anos.
Hoje foi massagem completa das costas, ventosas e acumpunctura. Sim, deixei que me espetassem coisas nas costas!
Não doeu nadinha, só uma ligeira impressão quando picam mas depois passa. Já nem me lembrava que tinha a agulha lá espetada.
Já só faltam duas semanas de curso (ooooooooohhhhhhhhhhhhh)

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

O problema das frases em aberto

Eu escrevi
After a while, you really have to stop

Ele escreveu
Stop for a while and then... step on it:)

Só não sei se estavamos a falar das mesmas coisas.

To do list

Eu hoje queria:

Preparar a minha primeira aula como monitora;
Estudar farmacoterapia da hipertensão arterial;
Almoçar com o meu pai, que faz anos;
Estudar fisiopatologia da insuficiência cardíaca;
Rever o texto da peça;
Jantar com a família toda;
Ir para a cama cedo.

Hoje:

Já preparei a aula;
Já vi dois episódios de Ghost Whisperer;
Já estudei duas páginas de farmacoterapia;
Já almocei com o meu pai.

Alguma coisa me diz que uma das coisas que não vou fazer é o deitar cedo.
Este início de ano custa sempre horrores, estudar sem pressão em cima não dá!

domingo, 24 de outubro de 2010

Dating?


A minha faculdade é um mundo à parte.
Em vez de se combinar ir sair, tomar um copo, ir ao cinema, o convite característico pode muito bem ser:
- E se combinassemos um dia para estudarmos umas horas juntos todas as semanas?

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Um dia

Um dia gostava que o dia de hoje deixasse de ser aquele dia.
Gostava de poder passar por ele assim como se nada tivesse sido, só por hoje, e uns dias depois perceber que este dia já tinha passado.
Gostava que o dia de ontem não tivesse sido o dia dos anos do meu irmão porque inconscientemente há cá dentro aquela vozinha que relembra que foi no dia a seguir ao dia dos anos do meu irmão que houve, há dois anos, um dia diferente e que virou a minha vida de pernas para o ar.
Sei que um dia os dias iguais ao de hoje vão ser só um dia, mas enquanto são e não são... sei lá...

Sobre o IVA

Para quem está preocupado com o aumento do IVA nos ginásios pode ficar muito mais tranquilo depois deste meu post.
A verdade é que com o aumento do IVA da maior parte dos produtos alimentares a maioria de nós vai entrar em dieta forçada por isso não precisamos de ginásio para nada.
Boas notícias não?

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Massagens

Fazer o curso de massagem chinesa foi das melhores ideias que tive este ano. Nesta primeira sessão aprendemos um bocadinho de auto-massagem e massagem nas costas e pescoço de uma pessoa sentada. Na próxima semana vai ser massagem das costas todas com a pessoa deitada. E vamos fazendo uns nos outros, por isso acabo por ainda ter umas horas de massagem.
Tenho a dizer que os meus ombros hoje estavam levezinhos como nunca quando me levantei.
Já estou a contar os segundos até à próxima terça!
Ah, a ainda vamos aprender um bocadinho de acumpunctura e trabalho com ventosas! E para isto, há cobaias?:p

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Dormir em pé



Percebo que já estou a dormir em cima do que estou a fazer quando em vez de escrever nos meus apontamentos: "... preocupante quando o doente tem gota" escrevo "preocupante quando o doente tem gomas".

É ridículo, mas é assim.

Caminha, aqui vou eu.

Rugas

É oficial. Depois de ver as fotos da última vinda das minhas amigas da faculdade a Cascais, é URGENTE começar a usar um creme anti-rugas.
Continua assim continua Jo, hás-de ser uma velha mesmo gira... aos 50!
Era isso ou rir menos, mas parece-me que o creme é mais prático.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

"Férias"

Agora que já entreguei os dois trabalhos das optativas (um deles consegui arrastar até 3 minutos antes de acabar o prazo. Fantástico não?) já me sinto quase de férias outra vez.
Ora, sendo assim, hoje, depois de uma hora de matraquilhos na faculdade (é este ano que fico pró naquilo), uma horinha de estudo em casa (só para não acharem que não faço nada) e duas horas de ginásio, fui jantar fora. Não fui à noite de fados da faculdade, com alguma pena minha, mas foi bem melhor. Fui jantar com a Morce, a Saroka, a Sofia e o Jonas.
Podem ficar cheios de inveja, porque fui muito giro.
O Jonas passou o jantar a espalhar bactérias pelo ar e a mostrar como agora é um homem desinibido, a Saroka com os dramas do costume ou não fosse ela uma drama queen, a Morce a dizer que tinha de anotar as melhores frases da noite mas sem anotar nenhuma e a Sofia a fazer comentários pragmáticos sobre as histórias da Saroka.
Quanto a mim, passei o jantar a rir.
Adoro esta falsa sensação de férias. Adoro os meus amigos. Adoro tirar fotos parvas com eles. Adoro andar bem disposta porque este ano (ainda) não estou a sufocar com a matéria. Adoro ter imensas coisas para fazer fora da faculdade.
Adorei este bocadinho de noite de hoje. Adoro este ano. Só porque sim. E isso é bom.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Massagens

Amanhã começo um workshop de massagens.
Neste momento o dilema é apenas decidir quem vão ser os cobaias para as minhas fantásticas (cof cof) massagens. É que a oferta tem sido mais que muita e uma pessoa fica baralhada.
Afinal, não podem haver massagens para todos!

sábado, 9 de outubro de 2010


Até podemos ser "só amigos".
Mas ainda assim ainda fico com o coração nas mãos a saber que ele está a conduzir com este tempo.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

3 anos disto

Jo: O que é que é mesmo para fazer para MEF?
I.L.: Pois... nao sei bem.
Jo: Lol
I.L.: Eu acho que é para dizeres que exames farias a uma pessoa como tu que te fosse pedir prescrição de exercicio.
Jo: Acho que ainda vou acabar por fazer um "artigo de revisão":p temos de respeitar as normas? referências e isso? ou é só falar sobre o tema?
I.L.: Epá... o homem pareceu-me que queria mm artigo de revisão com regras e isso
Jo: Que treta... o que é que o pessoal está a fazer? o P.A. e o N.C., etc...?
I.L.: Não sei...
Jo: vou perguntar ao N.C.. A tua tutora não se lembra do que fez?
I.L.:eles podiam fazer só trabalho
Jo: Só trabalho?
I.L.: Tipo trabalho da treta, percebes?
Jo: Pois, era o q eu queria... vou perguntar ao N.C.

Jo: N.C.!!! Já fizeste o trabalho de MEF?
N.C.: Olá! não, não fiz. O que pensas fazer? xD Já fizeste?
Jo: Ainda não:s não sei, nem percebi muito bem o que era para fazer...
N.C.: Pois... nem eu...

Jo: O N.C. também não sabe o que é para fazer...
I.L.: Lol
Jo: Onde temos de entregar o trabalho de nuclear?
I.L.: Lá... no serviço... que não faço ideia de onde é...

Jo: P.A., já fizeste o trabalho de MEF? O que é que é para fazer????
P.A.: Ainda não, faço amanhã:) É para fazeres uma prescrição de exercício físico ou um artigo de revisão:)
Jo: Mas é preciso seguir as regras todas do artigo de revisão? Referências, etc...?
P.A.: Pois, já vimos que eles chamam “artigo de revisão” a tudo…

Como vêem, nada como regressar às aulas.
Podem não acreditar, mas era disto que tinha saudades:)

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Desemprego

Ele não sabe, mas eu já sabia que ele estava desempregado há 14 meses.
E ele não sabe, mas durante estes 14 meses eu fiz mais de umas 50 tentativas de o ajudar. Fiz-lhe chegar anúncios, passei horas a pesquisar empregos, a tentar saber se alguém sabia de alguém que pudesse, que quisesse, que precisasse dele. Mas sem sucesso. Algumas das entrevistas a que ele foi até fui eu que lhas arranjei.
E hoje ele disse-me qualquer coisa como "Joaninha, preciso da tua ajuda. Não sei se já sabes, mas estou desempregado há 14 meses. Achas que dá para reenviares o meu curriculo aos teus pais e pessoas que conheças que trabalhem na minha área?"
E eu sei que lhe deve ter custado um mundo ter-me pedido ajuda, porque sei que ele é Homem e orgulhoso e que para ter vindo pedir-me ajuda é porque está mesmo desesperado.
E eu disse que ajudava, claro. Que reencaminhava, que pedia, que tudo o que eu pudesse, mas não sei se vai adiantar de muito porque já tenho estado a fazer o que posso nos últimos 14 meses.
E ele é casado e tem uma filha. E o subsídio de desemprego este mês já não lhe vai cair na conta. E eu estou preocupada.
E este era o meu 6º desejo da passagem de ano 2009-2010 e até agora nada.
E eu sei que há muita gente nas mesmas circunstâncias e até piores, mas o caso dele a mim custa-me mais porque mesmo que ele não saiba ele tem um lugar especial na minha vida.
E isto é uma treta e eu sei que o mundo está todo em crise e que está mal em todo o lado. E não me interesso nem percebo grande coisa de política mas percebo que o Sócrates já deu o que tinha a dar (se é que alguma vez deu alguma coisa em vez de tirar) e que estas novas medidas não vêm facilitar em nada a vida daqueles que como o J. estão a precisar de mais ajuda.
E não sei quem é que pode ir para a frente e resolver isto. Não sei como se poderia resolver nem sequer se isso é possível. Mas tem de se resolver. RAPIDAMENTE!

domingo, 3 de outubro de 2010

Eu bem tento

Já aumentei o tamanho das margens, já aumentei o tamanho da letra, já mudei o tipo de letra, já aumentei o espaçamento... mas não consigo escrever mais do que uma página e meia sobre medicina nuclear...
Ai que saudades que eu (não) tinha dos trabalhos a metro...

sábado, 2 de outubro de 2010

Drogas e toxicodependência

Esta semana, graças à minha escolha de “drogas e toxicodependência” como optativa para o início do ano tive a oportunidade de assistir a alguns dos momentos mais marcantes da minha “prática clínica” (será que já posso dizer isto?) até ao momento.
Confesso que quando soube quem era o professor responsável pela cadeira vi a minha vida a andar para trás. Afinal, era o senhor responsável pela pior cadeira que tive até ao momento. Teórica até dizer chega e com uma capacidade impressionante de me fazer adormecer ou sair ao fim dos primeiros 10 minutos de aula.
A aula estava marcada para a sala de psicologia e eu já estava preparada para estar cinco horas de seguida em luta constante por manter os olhos abertos. Mas quando chegámos à sala o Professor decidiu que íamos, em vez de ter uma aula teórica, ter uma aula prática. Deixou-nos assistir a terapia de grupo de toxicodependentes HIV positivos.
A princípio ficámos um pouco de pé atrás quanto à iniciativa. Estávamos todos contentes por um lado porque afinal íamos ter qualquer coisa prática, mas por outro ficámos receosos pelo que nos esperava.
Entrámos numa sala com cadeiras dispostas em círculo e sentámo-nos. Lá dentro já lá estavam algumas pessoas. Outras foram chegando durante a sessão. Prometemos não interromper e perguntámos aos presentes se se importavam com a nossa presença. Alguns não se importavam de todo, outros lá torciam o nariz, mas acabavam por dizer “eles têm de aprender não é Professor?” e pronto, lá ficámos.
A sessão começou com uma senhora cigana que era nova no grupo.
Professor: Então “senhora cigana”, é a sua primeira vez neste grupo. Dantes estava no grupo dos toxicodependentes HIV negativos mas as suas análises agora vieram positivas. Como é que se sente em relação a isso?
Senhora cigana: Ah, já estava à espera.
(Pausa. O Professor esperou que ela acrescentassem mais alguma coisa. Não acrescentou. Ninguém disse mais nada.)
Professor: Mas estava à espera porquê?
Senhora cigana: Porque o meu marido também tem.
Professor: Então mas não usava preservativo quando tinha relações com o seu marido?
Senhora cigana: Não, não doutor. Também ele já tem aquilo há tantos anos e eu nunca apanhei. Algum dia havia de ser.
Professor: Então mas porque é que não usava preservativos.
Senhora cigana: Porque acabaram. O nosso médico morreu e nós deixámos de ter preservativos. Já há uns tempos.
Professor: E a sua filha?
Senhora cigana: Está boa.
Professor: E ela não apanhou o vírus?
Senhora cigana: Não, não, ela não tem nada.
Professor: Então e agora o que está a pensar em fazer?
A Senhora cigana encolheu os ombros.
Professor: Sabe o que é que o vírus faz não sabe?
Senhora cigana: Sei, sei. Se não comer bem fico com as defesas fracas. Mas eu tenho comido.
Professor: O resto do grupo concorda com a “senhora cigana”? É isto que o vírus faz?
(Novo silêncio. Alguns olham para o chão, outros abanam a cabeça, outros simplesmente é como se não estivessem lá).
Professor: E a medicação? Já começou a fazer?
Senhora cigana: Ainda não. O meu marido também não tem feito e só agora é que está a começar a ter um ou outro problema, por isso…
Menina das calças rasgadas: Até ao dia… Nós vamos morrer todos.
Professor: É isso que achas “menina das calças rasgadas”?
A menina das calças rasgadas encolheu os ombros e assentiu.
Professor: “Senhora da t-shirt cinzenta”, há quantos anos é HIV+?
Senhora da t-shirt cinzenta: Tenho o diagnóstico já há mais de 25 anos.
Professor: E como é que se sente?
Senhora da t-shirt cinzenta: Bem. Faço a medicação e estou bem. Só o fígado é que me vai dando uns problemas. No outro dia fui fazer uma ecografia…
Menina das calças rasgadas: Estás grávida?
Senhora da t-shirt cinzenta, sorrindo: Não… já não tenho idade para isso… eu até gostava mas não tenho idade. Agora já não. A ecografia era para ver o fígado.
Menina das calças rasgadas: Ah… era giro se estivesses grávida…
(Novo silêncio. O Professor muda de interlocutor)
Professor: Então “rapaz giro” e como vão as coisas consigo?
Rapaz giro: Vão andando. Não tenho consumido. Já há uns dois meses. Isto agora está melhor. Arranjei um emprego. O chefe deixa-me vir às reuniões aqui. Expliquei-lhe tudo, é um tipo já assim velho, mas porreiro. Ele disse para eu dizer aos colegas que tenho um problema nas costas e que por isso é que tenho de sair.
Professor: E os seus filhos?
Rapaz giro: Lá andam. O mais novo nem me reconhece como pai. Às vezes nem um beijinho me quer dar. Também é pequenito, só tem 3 anos, e ele não me vê muitas vezes. Eu e a minha ex-mulher separámo-nos quando ele ainda era recém-nascido. Ela não aguentava mais coitada. Também não sei como aguentou tanto. O mais velho está bom. É muita esperto o puto, parece que já nasceu ensinado. É é um puto muito irrequieto. Na escola acho que anda sempre à porrada. Também é da idade, os 6 anos… A mais velha é que agora está muito mais próxima de mim. Tem 17, óptima aluna, no próximo ano vai para a universidade e até quer fazer um ERASMUS ou lá como raio essa coisa se chama. É uma boa miúda. E não me pede nada. Às vezes a mãe pedia-me dinheiro para ela e a miúda dava-mo outra vez pelas costas. Agora anda é com a mania dos piercings, já viu doutor? 3 Piercings? E no outro dia chegou a casa e disse: Pai, vou fazer uma tatuagem. É que nem perguntou. Disse só que ia fazer. E eu não posso dizer-lhe nada. Não tenho moral. E ainda por cima ela é boa aluna.
Professor: Está com em manter a posição firme de um pai não é? Como consumia, consume, heroína, acha que não tem moral para lhe dizer nada, não é?
Rapaz giro: É isso mesmo doutor. E a miúda nem bebe, nem fuma…
Senhora da T-Shirt cinzenta: Também é só um piercing.
Rapaz giro: 3 piercings!
Senhora da T-Shirt cinzenta: Sim, pois, mas isso não é nada.
Professor: E tem-se aproximado mais dos seus filhos pequenos?
Rapaz giro: Sim, tenho. Até porque a mãe deles agora quer voltar para mim. Eu ‘tou com um bocado de medo. É que já sabe como eu sou. Um eterno insatisfeito. Eu ‘tou com ela e umas horas depois já quero é ‘tar com outras. É o mesmo que com a droga. Quero é prazer imediato. Se não há mulheres há drogas. E eu não a quero magoar outra vez, que ela já sofreu tanto comigo… foi a droga, foram as outras mulheres… Eu quero levar as coisas com calma, agora até tenho um emprego novo... Saímos uma ou outra vez com os miúdos ao fim-de-semana, mas nada de muito sério.
Professor: Acha que se voltar para ela vai voltar a consumir?
Rapaz giro: Se a coisa dá para o torto de certeza doutor. É que eu quero sempre mais. Enquanto estive com ela tive mais umas 50 mulheres. E ela mesmo assim quer voltar.
Professor: E o “rapaz giro” gostava de voltar? Quer voltar?
Rapaz giro: Não sei doutor. E há outra coisa. É que ela depois de nos termos separado já teve um namorado. Dois meses doutor. E eu já sei que vou estar na cama com ela e a pensar que ela esteve com outro e aquilo não vai correr nada bem.
Senhora da T-Shirt cinzenta: Isso é machismo! Então tu tiveste não sei quantas mulheres ainda quando estavas com ela e ela não pode ter tido um namorado dois mesitos?
Rapaz giro: Eu sei que é machismo e que está mal. Mas não consigo. Percebe não percebe doutor?

E eu podia ficar aqui horas a contar-vos tudo com mais pormenor. Podia falar-vos do senhor-com-cara-de-criança-e-ideias-absurdas, do senhor-de-fato-e-gravata, do casal que faz a recuperação juntos. Podia, mas não vou falar porque já me alonguei bastante.
Depois disto assisti ainda às consultas individuais, tive a oportunidade de falar a sós com alguns dos doentes e adorei. Podia falar-vos do casal homossexual, do senhor-que-sempre-fez-o-que-queria-e-bem-lhe-apetecia-mas-agora-tem-uma-filha-que-também-quer-fazer-algumas-coisas-e-está-aterrorizado, do senhor-que-toma-1mg-de-medicação-por-dia-mesmo-sabendo-que-isso-já-não-tem-efeito-mas-que-tem-medo-de-voltar-à-heroína-se-parar. Podia. Mas já não vou falar porque já estou farta de escrever e não sei bem quem é que chegará sequer a esta parte do texto.
Bem dita a hora em que escolhi esta optativa.
E além de tudo isto portámo-nos tão bem durante as “aulas” que nem temos de fazer trabalhos em casa. Melhor optativa de sempre.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Here we go again

Já tinha saudades das aulas, de estar com as pessoas do costume, de olhar para o anfiteatro e perceber que ainda há lá caras que não conheço.
Não tinha era assim tantas saudades de ouvir o despertador às 6 da manhã!
Mais um aninho:)

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Parabéns para mim

E quem é que foi colocada como monitora de microbiologia este semestre quem foi?????:D
WWWWEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE
Venham daí bichinhos:D

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Grey

Ontem a MM veio cá a casa. Ela é colega do meu irmão, mas desde pequenina que é comigo que ela vem falar dos namorados, dos dramas familiares, das coisinhas do dia-a-dia, de tudo. E ontem veio cá para falar sobre o futuro profissional.
Ela está no 12º a ainda não sabe o que quer fazer. Está na área de ciências socio-económicas e diz que não faz ideia do que faz um economista ou um gestor e que por isso não consegue saber o que escolher. Está arrependida de não ter ido para artes, que é o que gostava, mas teve medo das saídas profissionais e também acabou por ser pressionada pelos pais.
Estavamos nós em alegre conversa quando
Jo: Pois, para mim foi mais fácil de escolher. Toda a gente sabe o que faz um médico.
MM: Olha que não é bem assim, conheço muita gente que quer ir para medicina porque acha que aquilo é igual à anatomia de Grey.
Jo: Olha que não é assim tão diferente.
E não é. A única diferença que vi até agora é que o único neurocirurgião que conheço além do Lobo Antunes tem muito pouco a ver com o meu querido Derek. Mas também faz coisas giras, que nunca me vou esquecer que ele operou um homem que caiu com a cabeça em cima de uma serra eléctrica.
Na realidade, até acho que é melhor do que anatomia de Grey.

Por falar nisso, hoje estreia a nova temporada nos EUA. E a de Clínica Privada também. E eu só a posso ver amanhã de manhã. Acho que ainda me meto num avião.

sábado, 18 de setembro de 2010

Tenho andado a pensar...

... que a minha cara está parecida com a de alguma personagem que conheço.
Hoje lembrei-me quem era:

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

"És um amor"

Eu sei que sou. Não precisavas de dizer.
Eu dava-te os meus apontamentos na mesma:p
Estes exs...

Imaginem

Estão a imaginar a cara de uma pessoa normal não estão?
Agora imaginem uma pessoa normal com uma nódoa negra já assim meia verde na parte debaixo da cara do lado direito.
Agora a essa imagem juntem uma bola de matraquilhos por dentro da bochecha esquerda.
Pronto, é isso mesmo.
Já podem imaginar-me finalmente sem os meus dois sisos:p

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Praxes

É bom estar de volta às praxes (na realidade, o que eu gosto mesmo é de usar o traje, é giro e, modéstia à parte, fica-me bem. E faz-me sentir "crescida").
A parte chata é estar a praxar com 40 graus à sombra. É que os caloiros lá fazem as coisitas deles em t-shirt e muitos até em calções. Já para nós é collants, saia até ao joelho, camisa apertada até ao último botão, gravata, casaco e capa TRAÇADA!
Ai, que difícil que é a vida de "doutora (de praxe)"

E aulinhas? perguntam vocês

Pois que só dia 27!!! (sou ou não sou uma rapariga de sorte? Não fosse ter de ir tirar o outro siso depois de depois de amanhã - 5ª feira - e seriam uns diazinhos bem mais interessantes, mas sempre é melhor assim do que dias nenhuns. E sempre dá para pôr as séries em dia. E fazer dieta, que graças ao meu querido siso nº 1 já se foram mais de 2 kg)

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Hora S(obrevivi)

Sobrevivi. E até que me portei bem! Não esperneei, não chorei, não morri de medo. Estive calminha e quietinha o tempo todo.
O dentista disse que era melhor tirar um de cada vez porque ia ser uma operação complicada (não é o que todos gostamos de ouvir quando temos metade da boca anestesiada e só vemos bisturis e linhas a passarem por cima da nossa boca?)
Parece que os meus sisos são teimosos, tenho o juizo muito bem enraizado, são gigantes (o que explica todo o juizo que tive até agora) e, só para serem diferentes não estão a nascer na vertical, como os dentes das pessoas normais, mas sim, na horizontal. Bonito não é?
Resumindo e concluindo, um já foi. Agora estou em casa com a cara ligeiramente torta (efeitos da anestesia e do inchaço). As dores são suportáveis, os 4 pontinhos são muito bonitos (sim, estou fartinha de olhar para eles, é tão fixe!!!) e espero ter uma noite santa. Eu e os meus 3 sisos:)

terça-feira, 7 de setembro de 2010

domingo, 5 de setembro de 2010

Está quase

4ª feira vai chegar o momento que tenho estado a adiar nos últimos 2 anos.
O meu juizo vai ficar reduzido substancialmente. Adeus queridos sisos de baixo.
Ainda não sei se vão sair os dois no mesmo dia ou se vai ser um de cada vez. Diz o dentista que depende de como correr a extracção do primeiro.
Tenho para mim que será um de cada vez porque mariquinhas que sou com estas coisas de bisturis e agulhas e pontos vou fazer uma fita tão grande que o homem vai ter medo de me matar se tirar o segundo.
O que é que querem? Uma coisa é ver fazer aos outros, outra coisa é fazerem-me a mim. E não gosto particularmente de ficar com as gengivas cosidas.
E depois, tenho mesmo que despachar isto. Imaginemos que isto me começava a dar dores em época de exames ou, pior ainda, lá para o meio de Novembro... Assim fica já despachado e por essa altura já só vou ter a recordação da minha cara toda inchada.
E depois ficam as outras marcas... o juizo que se vai. Já imaginaram como pode ser catastrófico eu ficar só com metado do juizo que tenho agora???

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

De serviço

Ontem a minha tia ligou-me para passar lá por casa porque a C. estava com febre, muito prostrada e que ela nunca tinha estado doente. A pediatra hoje estava nas urgências com os prematuros e portanto disse à minha tia para eu passar por lá para dar uma olhada e que se achasse que era urgente para só então a levar ao hospital.
Primeiro foi o meu momento de pânico. E se eu faço tudo mal? E se eu não vejo nada? E se fizer asneira?
Depois, respirei fundo e lá fui eu, a sentir-me cheia de responsabilidade.
Cheguei lá a casa e a C. estava vestida com o meu fato antigo de Bela (da Bela e o Monstro). Mas estava a arder em febre e assim que eu lhe disse que ela estava tão linda disse logo que queria ir tirar o vestido.
Vamos para o quartinho dela, sento-a na cama só com as cuequinhas e penso: o que é que é suposto eu fazer agora?
Perguntei-lhe se lhe doia alguma coisa, disse que não.
Depois lembrei-me que ela tinha estado com dores de barriga. Deitei-a, vi a barriga, palpei a barriga toda sem encontrar nada de especial. Fiz o toque à direita e à esquerda para procurar sinais de apendicite, mas nada (era previsível, ainda é muito pequenina). Nesta altura ela já sorria (devia estar a pensar nas figuras de parva que eu estava a fazer tão concentrada a carregar-lhe na barriga). Nada doía, não palpei nada. Tudo normal.
Tentei lembrar-me das minhas aulas de introdução à clínica. "Exame da cabeça aos pés".
Exame da cabeça e pescoço.
Observação: Tudo normal.
Palpação: Assim que lhe toquei no pescoço começou logo a afastar-me as mãos. Disse-lhe que não fazia mal, que tinha de me deixar mexer só mais um bocadinho. Começou a choramingar. Senti os gânglios submaxilares inchados.
Disse-lhe que tinha de me deixar ver a boca, com uma lanterna, como faz a senhora doutora. Ela deixou. Fui buscar uma colher para usar o cabo como espátula. Pedi-lhe para fazer "aaaaahhhhh" com a lingua toda para fora, mas ela não estava muito cooperativa por causa da febre. Fez um "aaahhh" pequenino, muito baixinho, e a língua mal saiu da boca. Mas foi o suficiente para ver uma amigdalite do lado esquerdo. O lado direito não consegui ver, mas pouco importa, porque o diagnóstico estava feito e o mais provável era que o lado direito estivesse igual.
De repente entram na minha cabeça todas as "nerdices" que aprendi sobre amigdalites este ano: S. pyogenes... penicilina... complicações não supurativas...
Apeteceu-me pegar num cotonete, fazer um esfregaço num meio de cultura e ver os S. pyogenes todos crescidos amanhã de manhã, só para sentir que lhes tinha ganho (esqueçam, momento nerd).
Voltei ao real e disse à minha tia para ligar à médica, porque me parecia uma amigdalite e era preciso antibiótico.
Assim se fez, o meu tio foi buscar a receita, foi à farmácia e a muito custo lá a convencemos a tomar o xarope.
E assim foi a minha noite de ontem.
E já estou contente porque ao fim de 2 anos já sinto que sirvo para alguma coisa:)

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Ainda sobre a noite de ontem

Achei importante partilhar convosco e assinalar a data de ontem como a data em que aprendi a pôr lápis nos olhos sem os furar.
Pronto, era só isso.

Drama queens' night

Hoje foi noite de bairro com as meninas. Drama queen's night. Conversa puxa conversa, fala-se de tudo um pouco, a sangria ajuda, descobrem-se coisas extremamente interessantes (não é Saroka?) e quando damos por nós a noite já foi.
E foi excelente, já tinha saudades de ter um tempinho só convosco. Adoro-vos.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Letters to Juliet


'What' and ‘if’ two words as nonthreatening as words come. But put them together side-by-side and they have the power to haunt you for the rest of your life: ‘What if?'..."

domingo, 22 de agosto de 2010

1 mês de férias ainda por preencher

Finalmente acabou-se o meu tempo de férias no Algarve. Foi giro, deu para descansar. A parte chata é mesmo o não ter lá ninguém sem ser os meus pais, o que ao fim de 3 semanas se torna um bocado monótono. Não gosto das pessoas que passam férias naquele sítio, nada a fazer. Eu bem tento, mas quando pessoas da minha idade começam a tratar-me por "você" começo a ficar verde. E fico de todas as cores quando vejo miúdos de 4/5 anos que até são primos ou irmãos tratarem-se por você (outro pormenor, lá todos são família. E depois existo eu).
Mas enfim, estava eu a dizer que deu para descansar e imaginem só, consgui ler!!! Livros minha gente, romances!!! É que pelas minhas contas já ia longe a minha última leitura de literatura não médica. E soube-me pela vida. 3 livrinhos e o 4º está mesmo mesmo no fim.
Foram eles:
Uma surpresa. Gostei imenso do estilo de escrita da autora, achei que a história estava interessante e o final foi surpreendente. Lê-se num abrir e fechar de olhos.
Romance lamechas bem ao estilo do Nicholas Sparks. Não sei se está melhor ou pior do que filme porque fiz questão d não o ver antes de ler o livro. Mas gostei. Gosto de Nicholas Sparks e este foi dentro daquilo que ele faz. Nada de surpreendente, nada de desilusões, foi o expectável.
Pronto, tinha de vir alguma coisa de medicina, mas juro que é literatura ligeira. nada de matéria, é um livro em estilo de relato da experiências da vida de uma cirurgiã. Assim ao estilo de anatomia de Grey, mas sem tanto sexo.

Este é o que estou a acabar. E não é que tenho a certeza de que as minhas primeiras cinco aulas de introdução à clínica foram retiradas daqui??? Estive eu a estudar calhamaços *cof*desgravadas*cof* para quê? E nem acho que tenha muitas imprecisões, pondo de parte dizer que as etapas do exame objectivo são "inspecção, APALPAÇÃO, percussão e auscultação", mas enfim, problemas de tradução. E ainda aprendi umas coisinhas (curiosidades minha gente, nada de matéria, descansem que aqui não se estuda até Outubro).

Agora não sei ainda o que fazer com o restante tempo de férias. A IR foi para o Brasil e não volta tão cedo (ranhosa!). A IL deve estar agora a tirar as malas do carro depois da viagem a França e daqui a nada está a fazer malas para ir para Cuba. A S está no Norte onde segundo consta faz bastante sol. A AG está na areia branca. A Morce é fina e agora trabalha. Ou seja, ninguém está aqui! Quem é que sobra? Ah pois é... o VPL (private)! Depois queixem-se de que faço asneiras! Abandonam-me e depois dá nisto!

E eu ontem ainda pensei: "Se calhar era uma boa ideia aproveitar este tempo sozinha para me meter em forma. Ginásio e tal...". Péssima ideia! Ia eu a caminho do ginásio, liguei a um tipo que lá treina e que estava eu convencida de que eramos só amigos (vá-se lá perceber a minha ingenuidade, se ele desabafa comigo sobre a namorada assumi que ele não estava interessado)! Disse-he que ia treinar, perguntei-lhe se ele ia à aula, ele disse que não, blá blá blá, e já que vais lá para o Algarve no próximo f-d-s sei de um sítio super giro para ires com a tua namorada, bla bla bla... e estou super bronzeada e ele começa com uma conversa de treta que acabou com uma mensagem dele a dizer "O que é que me fazias se me apanhasses só em toalha a sair do banho? Vamos lá ver até onde te aguentas". Fiquei com cara de estúpida a olhar para o telemóvel um bom bocado. Depois lá pensei e respondi o óbvio: qualquer coisa como mandava-te vestir pois claro! Eu vejo pessoas nuas quase todos os dias (defeito de profissão, é assim que se vêem os doentes normalmente), portanto, sorry, no. Ele há com cada maluco! E depois como se isto não tivesse bastado, na aula ainda houve um outro que me veio trazer o colchão ao lugar. O que não teria nada de mal se ele não tivesse dito "Hoje trago-lhe o colchão. Como não está cá a sua mãe!"

Mas QUAL É O PROBLEMA DESTA GENTE?????? Por mim, pessoal do ginásio agora só à distância. Já tive que chegue.

Anyway, aceitam-se sugestões de coisas giras para fazer nas férias que não envolvam perfeitos idiotas.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Do teatro

Já acabou. Foram 17 dias de gargalhadas estrondosas (em grande parte por culpa da Natália que dá argalhadas só porque lhe apetece), de nervos, de descobertas (boas e más), de crescimento e de diversão.
Adorei fazer a peça "O Pecado", uma adaptação d' "O pecado de João Agonia" de Bernardo Santareno, foi um desafio gigantesco preparar a peça neste espaço de tempo e julgo que o público percebeu e valorizou isso.
Modéstia à parte fizemos dois grandes espectáculos e isto só aconteceu porque além de o grupo ser bom e homogéneo conseguimos criar uma boa relação entre os antigos e os novos membros que sendo todos tão diferentes uns dos outros tornaram esta experiência mais interessante ainda.
Obrigada à Morce, à Inês, à Mariana, ao Pepe, ao Vasco, ao Tiago, à Sofia, à Carolina, ao Jonas, à Saroka, à Natália, à Rita, à Bia, ao Du, ao Victor, ao Luís e a todos os outros que contribuiram para que estes 17 dias fossem tão espectaculares.
E para verem como somos estrelas vejam vejam, fala-se de nós em todo o lado:
http://tellmeboutit.blogs.sapo.pt/
http://www.culturesco.blogspot.com/
http://www.morceguinhaspot.blogspot.com/
http://emnomedasara.blogspot.com
E agora vou ali para o Algarve, já sabem que preferia ficar, que não gosto de ir para um sítio onde até os miúdos de 5 anos se tratam por você, mas a vida é mesmo assim e quando chegar tenho ainda um mês de férias para recuperar a sanidade mental;)

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Algumas coisas...

ainda me deixam assim sem ar.
"No air"... como dantes...

Mas depois passa e bola para a frente:)

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Cabecinha

Ontem cheguei ao meu quarto e o Kiko estava a brincar na casa de bonecas que lá mantenho para quando ele vem cá a casa.
Bonecos de um lado para o outro, no "jardim", na sala, na cozinha mas daquela boca não saia uma única palavrinha enquanto brincava.
Jo: Kiko, enquanto brincas conta a história à prima...
Kiko: Sim. Uma históia, duas históias, tês históias...
E eu sorri e fiquei a vê-lo a brincar à maneira dele, com a cabecinha dele que é tão diferente da minha/nossa, mas que não deixa de ser espectacular.

domingo, 25 de julho de 2010

De ontem

Depois de uma semana intensiva de teatro, nada como mais teatro na noite de sábado!
Foi em Sintra, o espectáculo foi "Água Moura" e foi fenomenal. Não só pelo espectáculo em si, que foi tão interessante quanto divertido, mas também pelo passeio por Sintra e por ter dado para matar (algumas das) saudades de algumas pessoas que já não via há uns tempos.

À Incógnita, muitos parabéns:) Ainda estou um bocadinho surda, mas adorei:)

sexta-feira, 16 de julho de 2010

E muitas horas de espera depois...

Lá passei:)
(Sim Incógnita, pode bater-me:p)
Com um sofrido 10,4 mas lá ficou feita;)
1/3 do curso já lá vai...
Agora férias e teatro. Parece-me bem:)

Assim se espera pelas notas

Jo
q desespero

TC
AHHH
bahh
urghhh

Jo
AAAAAAHHHHHHHHHHH

TC
XD

Jo
Isto é bom para descontrair, se quiseres podemos continuar

TC
haha yaaa
xP

(...)

Jo
AAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHH

TC
URGHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH
xD

Jo
hehehehe

TC
aiii pa

Jo
GGRRRRRRRRRR

TC
q cenaa

Jo
AAAARRRRRGGGGGGGGHHHHHHHH

TC
AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH
URGHHHHHHHHHHHHHHHH
GRRRRRRRRRRRRRRR
xD
oh pa esperar ate depois d almoço
fico crazy pah
xD

Jo
esse UUUURRRRRRGGGHHHHH lembra-me os homens das cavernas:p

TC
ya ahahahahahah
xDXDXD

(...)

TC
pois parvo sou eu q ind tenh esperançaaa
ahahaha
a vntade d estudar e tao poucaa
:x

Jo
pois e eu:p

TC
oh pa figas figas figas
tems d cnseguir :x

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Confesso

Eu podia ter estudado mais para este exame.
Mas a verdade é que mais valia ter tirado estes últimos 4 dias de férias, que bem merecia e que me faziam bem, porque aquilo que estudei claramente não teve nada a ver com o que saiu. Deve ser problema meu que gosto de estudar a matéria que os professores dão nas aulas. É que pelos vistos a que eles perguntam é outra.
E depois é esta mania de fazerem exames que não lembram a ninguém, porque:
  • Se fazer exame de uma cadeira já é mau, exame de 4 cadeiras num só é bastante pior. Ora experiementem lá imaginar um exame de neuroanatomia+neurofarmacologia+neurofisiologia+psicologia. Já estão com medo?
  • Um exame com 100 perguntas é mais que muito. Porque isso implica que temos de ler 500 respostas diferentes (escolha multipla, 5 hipoteses por pergunta).
  • Tudo isto seria suportável se as perguntas estivessem bem escritas. Mas não... aquele português não é claramente o mesmo que o meu (nosso) e os professores ainda não se aperceberam que isto de escrever frases com 5 linhas não é para quem quer, é para quem pode.
  • E fazer perguntas com duas hipoteses certas não é maravilhoso? Para nos fazer ficar mais tempo ainda com cara de estúpidos a olhar para as hipóteses?
  • Ah e tal psicologia é fácil. TRETAS! Foi a parte mais difícil. As 5 linhas de enunciado multiplicavam-se de cada vez que tinhamos uma pergunta de psicologia.

E não estou aqui a tentar arranjar desculpas para a nega gigante (bem pequenina na verdade) que vou ter. Estou só chateada.

E preocupada, porque a 2ª fase vai ser igualmente mal feita.

sábado, 10 de julho de 2010

Aqui procrastina-se

Não sei se já vos disse mas sofro de uma enorme incapacidade de estudar em dias em que saem/podem sair/há rumores de que vão sair notas.
Não dá! Eu bem tento, mas de 30 em 30 segundos (para não dizer de 10 em 10) lá estou eu a olhar para a caixa de e-mail e a perguntar-me se aquilo estará a funcionar como deve de ser.
Por isso esta ideia de dizerem que lançam as notas na 6ª e não lançarem não foi muito boa ideia. Pior ideia ainda foi dizerem que as enviavam por e-mail no fim de semana. Quem é que envia notas durante o fim-de-semana? É que eu estava a contar com estes dois diazinhos para estudar em paz, concentradinha, mas assim não dá.
Mandem lá mas é a porcaria das notas que eu tenho exame 3ª sff.



terça-feira, 6 de julho de 2010

Dos contos de fadas e afins
















A verdade é que se eu não fosse uma rapariga muito bem educada escrevia aqui com todas as letrinhas que a vida é uma m****.
Porque nada bate certo! Porque nada do que devia ser é e nada do que é devia ser!
Porque se gosta de quem não se devia gostar e não se gosta de quem até se podia gostar.
Porque quando se pensa que "ah, aqui está o amor da minha vida" descobre-se que afinal não é. Porque por qualquer motivo tudo o que devia ser é incompatível. Incompatível com o tempo, com o espaço, com a sociedade, com a sanidade mental com tudo em geral.
Ela gostava de um rapaz e descobriu que ele tem fibrose quística (para quem não sabe é uma espécie de sentença de morte por volta dos 30). E não, não é um romance do Nicholas Sparks (e para quem possa ficar preocupado, "ela" não sou eu). E é uma m****. É mesmo!
Porque esta vida estraga os contos de fadas e porque estamos cansadas de procurar o tal príncipe encantado e não encontrar ou simplesmente encontrar um monte de sapos que nem com um milhão e beijos se convertem.
Mas eu ainda acredito nos contos de fadas, nos príncipes e princesas e num toque de magia.
Porque tem de existir, porque se não existisse não fazia sentido, não teria um propósito.

Certo?

"Perfection is the goal, but excellence will be tolerated"

Foi esta a frase com que começaram as nossas aulas de introdução à clínica.
O exame foi ontem.
Vai ter um monte de perguntas anuladas porque não estavam dentro do programa, porque estavam mal formuladas, porque tinham um português que deixava muito a desejar.
Caros profs: OK would be tolerated... mais um esforço no próximo ano sim? Têm um semestre para escrever 100 perguntas, não pode ser assim tão difícil.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

"Tem mas é juizo"

Foi o que o prof disse quando lhe perguntei se tinha passado na oral.
15!!!

Mais uma feita;) E esta era sem dúvida nenhuma A parte mais difícil do ano.
Venha o resto que agora já estou embalada!:)

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Querida sanidade mental:


Eu sei que nem sempre fomos as melhores amigas, que já de mim sou um bocadinho avariada, mas desta vez preciso de te pedir um favor.
É que estou a começar a ver toda a gente à minha volta a afundar-se, a "perder a base de sustentação" e pessoal a fazer medicação é o que não falta. Até já estão uns quantos internados na psiquiatria, e eu gostava de não ter de passar por lá tão cedo (tinha pensado só passar por lá no próximo ano e como aluna, não como paciente...). Não que eu tenha alguma coisa contra a psiquiatria, nem que tenha qualquer tipo de preconceito. Sei que quem lá está não tem de ser maluco, mas pelo sim pelo não prefiro evitar esse sítio, vá-se lá perceber... maluquices minhas...
Dizem que é do stress, que é dos prazos apertados, da pressão, da falta de tempo para estudar... A verdade é que dos 350 que entraram já houve uns quantos que por esses motivos foram saindo ou ficando para trás e eu estava com bastante vontade de acabar o curso em 2014 sem ficar maluca.
Por isso fazemos assim, prometo que não abuso (aliás, agora que olhei para o relógio prometo que até vou já já já para a caminha), que continuo a ser uma menina disciplinada, que tomo conta de mim e que de vez em quando saio uma ou duas horinhas de casa e tu continuas a fazer-me companhia, boa?

domingo, 13 de junho de 2010

Das orais, dos trabalhos, dos exames

Sim, temos uma vida de cão. Trabalhamos mais horas por dia do que a maior parte das pessoas (só não trabalhamos 25 porque o dia só tem 24). Temos avaliações todas as semanas, os fins-de-semana são sinónimos de dias de estudo, estamos constantemente com a corda no pescoço, temos mais que muita pressão em cima e por vezes sentimos que nada disto faz sentido.
Sim, já pensei mais que muitas vezes que devia era ter ficado quietinha em Biologia, que era finalista este ano e podia começar a organizar a minha vidinha, mas que em vez disso esperam-me mais 4 anos de faculdade, mais pelo menos 5 anos em casa dos pais, menos vida social, menos tempo para estar com os amigos, menos "qualidade de vida", se assim se pode chamar, nos próximos anos.
Mas ainda assim, pesando bem os prós e os contras, continuo a achar que vale a pena. Que fiz a escolha certa. Que apesar de tudo o que já perdi por ter escolhido esta vida e de tudo que vou perder continuo a achar que ganhei e vou ganhar muito mais do que tudo isso. Porque apesar do desespero que é olhar para os livros horas a fio e ter a certeza de que estão escritos em chinês, também é gratificante quando percebo alguma coisa (e já vou percebendo algumas). É gratificante quando alguém me encontra e diz "ah, estás em medicina não é? Ainda bem, é que eu tenho aqui um problema bla bla bla" e se começam a formar hipóteses de diagnóstico na minha cabeça. É gratificante quando vejo o meu trabalho recompensado com um 17 a neurofarmacologia. Porque me esforcei, porque trabalhei, porque prescindi de muitas coisas mas o meu esforço foi recompensado.
Por isso venham daí essas orais, esses OSCES, venham daí esses exames, cá estarei para os receber a todos com um sorriso na cara arrancado a ferros mas que no fim de tudo vai ser um sorriso vitorioso e espontâneo.
Porque tudo vai valer a pena e tudo vai acabar não tarda. E em Agosto vou ter férias.

E isto acaba por ser um bom texto de motivação para agora enfiar a cabeça dentro dos apontamentos de neuroanatomia.

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Comunicação


Antepenúltima aula de BP

A.: Ora então na próxima aula têm teste com toda a matéria das práticas desde o princípio do semestre. Mas não se preocupem, é uma coisa fácil...
Todos quase em uníssono: Então e os testes que nos obrigou a fazer todas as semanas? Então e todas as horas que perdemos todas as semanas a prepará-los?
A.: Ah... pois... esses não vão contar para nada, vocês devem ter copiado uns pelos outros...

(protestos protestos protestos...)

Todos: Então mas quanto vão valer os testes que já fizemos? E qual o peso deste teste final na nossa nota?
A.: Ah, pois, isso ainda não sei, logo vejo.
Todos: Então e que estilo de teste é? Escolha múltipla, desenvolvimento, verdadeiro e falso?
A.: Ah, pois, ainda não pensei.
Penúltima aula - teste

Jo: Professora, já sabe então qual é o peso do teste?
A.: Hum... o teste tem uma cotação.
Jo: Sim professora, isso já sabia, mas qual é o peso do teste na nota final?
A.: Ora bem, a nota final depende deste teste, dos outros testes, dos seminários e da participação nas aulas.
Jo (assentindo com a cabeça, respirando fundo e tentando colocar a pergunta de um modo mais claro): Mas QUANTO é que vai pesar este teste? Em percentagem!
A.: Ah, isso sou eu que decido.
Jo: Mas decidiu que pesava quanto?
A.: Tenho total liberdade para decidir

(Jo desiste de tentar estabelecer comunicação. Claramente não falam a mesma língua)

Inicia-se o teste.
Não é sobre as práticas desde o princípio do ano mas sim sobre as teóricas de desde o princípio do ano.
Não é grave, tudo se faz e o que importa é passar para evitar a A. mais um semestre.
Fim do teste. A A. decide recolher os testes e fazer logo uma correcção oral.

Terceira pergunta:
Qual/quais das seguintes doenças afecta mais frequentemente os diabéticos do que a população em geral?
a) bla bla
b) Bla Bla
c) Bla Bla Bla
d) Bla
e) Todas as anteriores
Jo estava extremamente confiante de que eram todas. Tinha lido isso ainda naquela manhã. E eis que a A. diz que a resposta correcta é...: Bla Bla Bla!

(Protestos protestos protestos)
Alguém: Mas professora, Bla também afecta mais frequentemente os diabéticos do que a população em geral... e Bla Bla também...
A.: Mas também afecta mais os hipertensos!!!
Alguém: Mas os hipertensos não têm nada a ver com a pergunta...
A.: Pois, mas eu não aceito essa resposta... poderia aceitar que me escrevesse "Bla, Bla Bla, Bla Bla Bla mas a pergunta está mal formulada", agora assim não posso aceitar.

(Ninguém protesta mais, não vale a pena, ninguém fala a língua de A.)

Jo mal pode esperar pela última aula...

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Já lá vai

Hoje soube-me mesmo bem passar pelo Instituto de anatomia e olhar para as caras de pânico dos caloirinhos na "sala de espera" até entrarem para as suas orais de anatomia. Não numa perspectiva sádica como é óbvio, espero que lhes corra muito bem a todos e que despachem todos aquele pesadelo. É só mesmo porque isso já lá vai e os nervos também eram muitos mas passaram e aquela oral ficou feita e bem feita.
E só pensar nisso já dá outro ânimo para estudar e para despachar as deste semestre:)

terça-feira, 1 de junho de 2010

Dia da Criança

Querida Família:
Não, já não sou criança, escusam de me ligar a desejar um bom "meu dia" porque de criança, acreditem, neste momento tenho muito pouco.
Já sou uma menina bastante crescida muito embora agradeça os presentinhos.
E tive um dia bom sim, um bom dia da criança.
Talvez até um pouco infantil se formos a analisar bem.
Mas garanto-vos: já não sou uma criança.
(só ainda não percebi se pesam mais os prós ou os contras de ter crescido)