quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Let it be

Ontem, numa das poucas pausas do estudo de anatomia (sim, que isto de se ter de saber os ossinhos, as articulações e os músculos todos não é brincadeira) aproveitei para pôr a conversa em dia com uma daquelas Amigas com A grande e com quem não tenho falado quase nada. Tema de final de conversa (como é óbvio): FIM DE ANO!

Sara: faço resoluções ao longo do ano
Sara: uma de cada vez e a curto prazo
Sara: os planos engolem

O que me deu uma excelente ideia para os meus planos para 2009. Desta vez, pura e simplesmente, não há planos. Nem sequer vou comer passas à meia-noite (detesto passas). Vou deixar 2009 correr, um dia de cada vez, e logo se vê o que me espera pelo caminho. Afinal, bem vistas as coisas, tudo aquilo que 2008 me trouxe de melhor não foi planeado…
Parece-me que vai ser um bom ano!

A todos, umas excelentes entradas!

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Destruidor implacável

Ele não estava a falar sobre nós, mas foi como se estivesse. E por isso, doeu o mesmo, chorei o mesmo. E ele nem sonha, não sabe da história nem metade, mas ainda assim conseguiu deixar-me completamente de rastos.

Preciso de umas férias, longe dos livros de anatomia, longe de tudo e de todos… bem, QUASE todos… cruzeiro?:)

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

I wish you a merry christmas




Meus queridos, a todos um excelente natal com montes de presentes (bem embrulhados), a família toda, muitos sorrisos (até podem ser daqueles sorrisos parvos), e acima de tudo, muito boa disposição.


FELIZ NATAAAALLLLLLLL




sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Féééééérias!!!

Vim aqui só mesmo dizer que já estou de férias. Quer dizer, na prática não será bem assim dado que tenho uma oral de anatomia dia 9 de janeiro e à qual (por causa do raio de bolonha) se chumbar, ganho como prémio um chumbo a fisiologia, bioquímica, anatomia e histologia. Por isso, as minhas férias são só teóricas.
De qualquer forma são férias, por isso podem roer-se de inveja que eu não me importo nada.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Frustrações de estudar Português

Eu bem tento, juro que sim, mas não consigo ficar com ar sério de "explicadora-super-profissional" a estudar com o meu irmão. Especialmente quando lhe leio um poema de fazer chorar as pedras da calçada como este:

Alma minha gentil, que te partiste
Tão cedo desta vida, descontente,
Repousa lá no Céu eternamente
E viva eu cá na terra sempre triste.

Se lá no assento etéreo, onde subiste,
Memória desta vida se consente,
Não te esqueças daquele amor ardente
Que já nos olhos meus tão puro viste.

E se vires que pode merecer-te
Algua cousa a dor que me ficou
Da mágoa, sem remédio, de perder-te,

Roga a Deus, que teus anos encurtou,
Que tão cedo de cá me leve a ver-te,
Quão cedo de meus olhos te levou.


e o raio do miúdo me faz um comentário do estilo:
- "Que já nos olhos meus tão puro viste"? "Quão cedo de meus olhos te levou"? Mas o Camões não tinha só um olho?!

Eu bem tento, mas não consigo:P

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Português...

Verdes são os campos
Da cor de limão
Assim são os olhos
Do meu coração.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Natal do Workshop de Teatro

Ontem houve jantarada de natal (de gala porque somos todos muito chiques). Houve troca de presentes, muitas histórias, sangria, recordações, quick step, valsa, muita palhaçada, riso até doer a barriga, saltos altos (não foi Sofia?), chapéus com brilhantes, meias, rolos de papel higiénico, muita parvoíce… enfim, foi muito bom estarmos (quase) todos juntos outra vez. Já tinha saudades…

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

E o que vinha mesmo a calhar,


aquilo de que precisava mesmo agora era... UM FIM-DE-SEMANA PROLONGADO


segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Superstições



Olhei para o relógio.


23:23.


O primeiro pensamento que me veio à cabeça foi: "está alguém a pensar em mim".

E naquele momento descobri (enquanto pensava que era o pensamento mais ridículo e infantil do dia) que até pode ter sido coincidência... mas havia mesmo alguém a pensar em mim:)

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Amigos

Amigos amigos são aqueles que saem do comboio e esperam pelo comboio onde nós estamos só para ter meia horinha de conversa e não só se arriscam a ouvir do prof por chegarem atrasados como ainda perdem tempo em que podiam estar a desenhar nus à vista. Isso é que são amigos!:P

sábado, 15 de novembro de 2008

De ontem

Lisboa, 14.Novembro.2008

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

"Só vive quem não tem medo de morrer"

Foi esta a frase que me acompanhou num dia qualquer desta semana (ou da semana passada, sinceramente já nem sei) no caminho de comboio até à faculdade. Eu nunca leio o jornal no comboio. Prefiro ir a ver a paisagem, sem pensar em grande coisa (até porque normalmente ainda é muito cedo para pensar). O sr. da frente é que tinha o jornal aberto com esta frase escrita em letras gordas mesmo em frente do meu nariz.
Só consegui ler algumas partes do artigo, mas acho que se foi escrito de um modo completamente literal (era sobre doentes psiquiátricos, daqueles que não conseguem fazer nada porque têm medo de morrer). Com aquele título (que não fez muito sentido na altura porque eu de manhã não funciono a 100%) teria sido muito interessante outra abordagem.
Hoje dei por mim a pensar que só é feliz quem não tem medo de ser infeliz, quem arrisca e sai da “zona de conforto”, dá um passo em frente com olhos vendados na esperança de esbarrar com aquilo que procura (embora se arrisque a cair num buraco e a magoar-se a sério). E se por acaso cairmos, havemos de nos aprender a levantar, tratar dos arranhões e daqui a uns tempos lá estaremos nós a dar outro nó na venda.
A verdade é que se não valesse a pena nem sempre jogar pelo seguro, já teríamos aprendido a ficar quietinhos, não?

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Lembrei-me...

If you'd known this was going to happen...would you have done it?

I would rather have had...one breath of her hair...one kiss of her mouth...one touch of her hand...than an eternity without it.
One.

Cidade dos Anjos

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Comunicação

E o prof disse:

- Tenham atenção porque da comunicação que fazem com os pacientes só 1/3 é verbal. Os outros 2/3 eles tiram do vosso olhar, da vossa postura e do vosso tom de voz. Não é o que se diz, mas como se diz.

E isso explicou muita coisa...

domingo, 2 de novembro de 2008

E agora de volta ao trabalho...

Depois de divagar um bocadinho,

Current Strategies in the
Management of Lysosomal Storage Diseases

É inevitável... eu já arrumei o quarto, a casa de banho, a sala, já descarreguei a máquina da louça, já li um romance e folheei o livro de anatomia... Mas agora tem mesmo de ser.

Doenças lisossomais, aqui vou eu!

Confiança

A confiança é a base de qualquer relação. Seja uma relação médico-paciente, uma relação entre colegas de trabalho, entre amigos ou namorados. É a confiança que nos permite sentir a tal segurança que é essencial para levar uma relação para a frente.
Num consultório, se o paciente não confiar no médico vai mentir-lhe quanto aos sintomas, quanto à sua história clínica e a relação médico-paciente não irá funcionar. Os resultados, como é óbvio não serão os melhores.
Numa relação de amizade ou algo mais a confiança também é essencial. Sabermos que naquela pessoa podemos confiar tudo, todos os segredos, os medos, as inseguranças, as histórias passadas que trazem todo o tipo de recordações…
Muitas vezes é importante uma confiança cega, qualquer que seja o tipo de relação…

E hoje deu-me para aqui…

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

E o prémio de melhor e mais forte palavra vai para:

AMAR

do Lat. amare

v. tr.,

ter amor a;
gostar muito de;
desejar;
escolher;
apreciar;
preferir;

v. int.,
estar apaixonado.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Dúvida existencial

Até que ponto é que uma coisa completamente errada mas que sabe e faz tão bem está completamente errada?

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Autobiografias

Discutiam-se autobiografias. A verdade é que todas (quase todas) as que lemos eram bastante interessantes, todas elas cheias de pormenores escondidos por detrás de cada palavra. Cada frase contava um episódio, um momento, um sentimento… a autobiografia não era mais do que um somatório de todas estas imagens que nos eram passadas. Se eu fizesse uma autobiografia teria por certo umas 200 páginas (e ainda tenho tão poucos aninhos…) e até que sou bastante objectiva! Por lá passariam imagens felicíssimas, momentos inesquecíveis passados sozinha e outros acompanhada. Imagens não tão felizes, de perdas, de lágrimas, de dor… sozinha e na maior parte das vezes acompanhada. Haveria muitas imagens, cada uma de seu tipo, mas todas elas, inclusive as relativas aos meus sentimentos, seriam bastante claras e objectivas. Praticamente telegramas. O dia de hoje, seria muito provavelmente a primeira imagem desfocada, o primeiro parágrafo (capítulo?) que nem eu conseguiria entender quando lesse porque não é de todo claro.
Preciso de tempo para pensar…

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Annie Hall

"I thought of that old joke, y'know, the, this... this guy goes to a psychiatrist and says, "Doc, uh, my brother's crazy; he thinks he's a chicken." And, uh, the doctor says, "Well, why don't you turn him in?" The guy says, "I would, but I need the eggs." Well, I guess that's pretty much now how I feel about relationships; y'know, they're totally irrational, and crazy, and absurd, and... but, uh, I guess we keep goin' through it because, uh, most of us... need the eggs."

E hoje estou assim...

Have you ever reached a rainbow's end
And did you find your pot of gold
Ever catch a shooting star
then tell me how high did you soar
Ever felt like you were dreaming
Just to find that you're awake
and the magic that surrounds you
can lift you up and guide you on your way


E é bom... Muito bom...

Publicidade

Eu sei que era suposto pôr aqui textos bem escritos ou engraçados ou pelo menos interessantes, mas por falta de tempo, inspiração e paciência desta vez vim aqui só mesmo para fazer publicidade.
As Pataniscas Eléctricas estão a participar num concurso da RedBull em que têm desde Madrid a Paris sem dinheiro nem cartões... Apenas com latas de RedBull para a troca!! Curiosamente ganha quem tiver o maior número de apoiantes e acompanhantes.
Por isso peço-vos pf: VISITEM O SITE http://redbullcanyoumakeit.com/wp/por003/ a visita já ajuda....mas se puderem torná-los vossos fans através do registo era óptimo!!

Deixo-vos o video que eles fizeram.


Obrigada!

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Frases da semana II

"Ser pessoa é construir uma máquina de emissão de singularidade."
"A nossa identidade é sempre construida em sociedade"

Prof. Nuno Nabais

Às vezes...*

Às vezes tenho tanta tanta tanta mas tanta vontade de me deixar levar... vontade de poder por um momento parar o jogo, fazer o que quero e o que bem me apetece e não sofrer consequências quando voltar a carregar no play. Pena que nunca consiga parar o jogo.

*ou esta última semana em muito poucas palavras

sábado, 4 de outubro de 2008

Frases da semana

"A competência é a ponte entre o conhecimento e a acção."
"Informação não é conhecimento e conhecimento não é sabeboria."
"A ética é a história das minhas inquietações."

Prof. António Lobo Antunes

Síntese da Semana

O problema de passar muito tempo sem cá vir é que depois tenho muito que escrever. Esta semana começaram as aulas (e sim, foram aulas a sério. As praxes eram só depois das aulas). Começámos logo a correr com um curso de introdução geral ao corpo humano e demos nada mais nada menos que TODOS os sistemas do corpo humano. O número de alunos ficou logo reduzido a metade no final da semana (acredito que depois voltem). Depois, tivemos duas palestras com Professor António Lobo Antunes (neurocirurgião daqueles que são mesmo mesmo mesmo mesmo mesmo prós). Uma delas foi sobre ser médico na actualidade. A outra foi sobre a medicina na arte, onde passámos a aula toda a ver desenhos de Da Vinci, Picasso, desenhos de livros antigos de anatomia… foi excepcional! O professor diz que vai disponibilizar o Power Point, por isso depois deixo aqui algumas das obras.
Vamos ter uma disciplina (ou cadeira, como quiserem), na qual vamos visitar crianças desfavorecidas, prisões, idosos abandonados, famílias que necessitem de apoio, instituições que fazem reintegração de deficientes na sociedade… tudo isto para desenvolver nos futuros médicos uma componente humana e emocional mais forte (é ou não é a melhor faculdade de medicina?)
Além das aulas, o convívio também foi do melhor. Conheci gente do Porto, do Algarve, da Madeira, dos Açores, de Lisboa, de Sintra… Há de tudo por lá. Até agora tenho a dizer que a impressão geral sobre os colegas é muito positiva. São simpáticos e prestáveis. Até os mais velhos, quando não nos estão a praxar, são bastante atenciosos. Lá na faculdade há o hábito de arranjar tutores (do 2º ano) para os alunos do 1º ano. A minha tutora é cinco estrelas e vai emprestar-me os livros e apontamentos todos dela, o que é uma GRANDE ajuda.
As praxes foram o habitual. Pintaram-nos as unhas e a cara, obrigaram-nos a ficar de 4 e de 3 (leia-se, só joelhos e cabeça no chão). Cantámos músicas bastante ordinárias por Lisboa mas também bastante divertidas. Fizemos o Haka e cantámos o “Menina estás à janela” para as pessoas que jantavam nas varandas dos restaurantes. Não podíamos olhar os nossos doutores de praxe nos olhos (regra número 1 dos caloiros, mas que me fartei de quebrar. Não tenho culpa que o rapaz tivesse uns olhos verdes do tamanho de uma bola de matraquilhos! “Caloira Joana, de 4 já!”)
Na 4ª feira fomos angariar dadores de medula. Sem grande sucesso, diga-se de passagem porque julgo que 99% das pessoas que ficaram convencidas foram caloiros que se auto-convenceram a ser dadores (melhor do que nada, certo?) Quando tiver um bocadinho mais de tempo ponho aqui as informações sobre transplantes de medula (pode ser que ainda consiga convencer algum visitante deste espaço).
Na 5ª à noite houve jantarada e festa. Música ao vivo. Tocou-se músicas dos Xutos, Quim Barreiros, O Fado do Estudante (indispensável)… Foi uma noite memorável. O convívio foi excelente. Dançámos, cantámos, gritámos e no dia seguinte às 9:30 da manhã já estava tudo na faculdade prontinho para dar o sistema urinário!
Gente aplicadinha, não?

terça-feira, 30 de setembro de 2008

E por falar em surpresas

E não é que hoje de manhã encontrei uma pessoa que não via há uns 15 anos? E o mais impressionante de tudo é mesmo que foi ela que me reconheceu... Diz que não mudei nada (leia-se: não mudei nada desde os 4 anos)... Devo preocupar-me?

Transportes públicos

Há várias coisas que me levam a optar por normalmente deixar o carro a descansar na garagem quando vou para a faculdade. Para começar, tenho o metro a sair à porta da faculdade. Depois, posso ir quase a dormir até lá (o que dá muito jeito uma vez que entro sempre cedo) e evito o pára-arranca característico da autoestrada em hora crítica. Além disso encontro SEMPRE alguém conhecido no caminho. E o melhor de tudo é que qualquer que seja a viagem acabo por trazer sempre uma história para contar. Assiste-se a cada cena nos transportes! É o senhor que me vem chorar no ombro porque a filha lhe bate e o filho não o deixa ver a neta, é a rapariga que desata a dizer palavras daquelas mesmo feias só porque um senhora lhe pede para tirar os pés do banco da frente, é a velhota que eu nunca vi na vida e que como se me conhecesse desde sempre me começa a contar os problemas com os filhos e como tem uns netos lindos… E ainda há quem diga que consegue estudar no comboio!

sábado, 27 de setembro de 2008

Casino Night




Ontem foi a minha noite de estreia no Casino. Ganhámos 2 euros nas slots, o que fez de nós um dos poucos grupos de pessoas que sairam de lá a ganhar qualquer coisita. Podíamos ter ganho bastante mais se tivessemos sabido parar na altura certa (ou seja, ao fim de 3 ou 4 jogadas), mas apesar disso para uma estreia estivemos as 3 à altura.


Diz que ao nosso lado se perderam 15 euritos hihihi

Tem de se combinar uma noite para recuparar, certo?

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Faz pontaria à lua para aterrares nas estrelas

Ontem depois de almoço falava-se sobre futuros profissionais.
Jo (a outra): Então M. conta lá, o que é que queres seguir daqui a uns anos...
M.: Engenharia Aerospacial.
Jo (a outra): O quê??? Isso é para ir trabalhar para a NASA não?
M.: Pois, esse era o objectivo... mas provavelmente fico noutra empresa aqui na europa. Há uma em Espanha, uma em Itália...
Jo (a outra): Faz pontaria à lua para aterrares nas estrelas!

Não vou discutir se esta frase faz ou não sentido (porque a lua é muito mais perto do que as estrelas e é mais fácil de lá chegar, etc etc etc...). De qualquer forma, a frase ficou. E fez todo o sentido na altura. Se formos a ver bem, na maior parte das vezes acabamos por ficar a meio caminho nos objectivos que traçamos. Quantas pessoas fazem projectos de entrar no curso X e, porque trabalharam apenas para ter a média minima, acabam por não a conseguir e por irem parar ao curso Y? Quantas pessoas fazem planos para ter não sei quantos filhos e quando acham que chegou a altura perfeita já acham que afinal já só têm idade para ter um ou dois? Quantas pessoas fazem planos para chegarem ao fim de ano ainda com dinheiro para passar um fim de ano no Brasil e quando chega a altura percebem que o mais longe onde conseguem ir passar o ano é mesmo na casa do vizinho?
E se quisermos mesmo chegar à lua? Meus amigos, há que fazer pontaria a Plutão!

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Praxe em Medicina quer angariar dadores de medula óssea

"Se tudo correr bem, dia 1 de Outubro à tarde, os alunos do primeiro ano da Faculdade de Medicina de Lisboa vão andar pelo Rossio a angariar dadores de medula óssea. É a praxe aos caloiros, que os alunos do 6º ano fazem questão de promover e gostariam de ver repetida por outras faculdades.A actividade está a ser programada para que nada falhe e os caloiros vão ter previamente uma aula para compreenderem o que é a leucemia, a importância de haver dadores e como é que se faz a abordagem. No Rossio, vai haver uma tenda para que se possa fazer imediatamente o teste de sangue e não se percam pessoas no procedimento que vai desde o “sim, quero ser dador” até à finalização.“A ideia já vem de trás, a partir do segundo ano sempre pensámos que seria útil fazer uma praxe que fosse mais do que uma recepção ao caloiro e tivesse um carácter cívico e social. Presumo que [angariar dadores de medula] seja do agrado de todos”, disse ao PÚBLICO Diogo Martins, estudante do 6.º ano da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. O finalista faz parte do grupo de alunos que está a organizar a praxe. Este é o primeiro ano que se implementa uma actividade com este cariz. Não se prevê atingir qualquer número de dadores, "mas o que vier vem por bem", até porque parte do objectivo é "promover o civismo e a solidariedade", que são aspectos importantes para quem vai praticar medicina. A ideia foi “extremamente bem aceite por todos os órgãos, eu sei que as associações de estudantes têm actividades sociais parecidas, mas nunca ninguém se lembrou de as integrar na praxe”, explica o finalista.Contudo, os alunos que chegam pela primeira vez à Faculdade vão continuar a viver todas as actividades tradicionais. “Vai haver pinturas, cânticos, jantares, pedipapers por Lisboa”, diz Diogo Martins, que vê na praxe uma óptima forma de integrar os alunos e apresentar a cidade a quem vem de fora. Esta angariação de medula também é uma tentativa de mudança de mentalidade para quem olha para as praxes como uma forma de humilhar. Diogo Martins ficaria feliz se “a mensagem fosse bem recebida pelas outras faculdades e se tornasse num hábito”. (...)"


Público.pt
Assim sendo, aqui fica o convite. Dia 1 é favor passar pelo Rossio!
Depois de ter a dita aula sobre leucemia e todo o processo de doação de medula dou mais informações aqui.

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Breakaway (ou a música do meu pós-aniversário)

I'll spread my wings and I'll learn how to fly
I'll do what it takes til' I touch the sky
And I'll make a wish
Take a chance
Make a change
And breakaway
Out of the darkness and into the sun
But I won't forget all the ones that I love
I'll take a risk
Take a chance
Make a change
And breakaway

E no final dezenas de pessoas a cantar os parabéns para mim. Podia ser melhor?

Aviso de segurança pública

A todos os que têm amor aos seus carrinhos, o melhor é mesmo não sairem à rua hoje.
Especialmente entre as 16 e as 17... é que vai ser lançada mais uma aprendiz na condução e só deus sabe no que pode dar...
Depois não digam que não avisei:P

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Mr Parking

Vinha eu a sair do shopping quando me deparo com a seguinte cena: junto ao balcão do Mr. Parking um homem gritava com toda a força que tinha com o empregado. Pensei que tivesse acontecido alguma coisa de grave, que lhe tivessem batido no carro, riscado uma porta, partido um farol... sei lá, qualquer coisa de relevante. Contudo (eu bem que tentei não ficar a ouvir a conversa, mas ouvia-se do outro lado do parque de estacionamento) o grande problema do senhor era deixar a chave do seu porche com o empregado.
"Acha que eu vou deixar-lhe as chaves DE UM PORCHE?" perguntava ele com um ar superior e altamente indignado.
Eu já estava a ver que aquilo ia dar pancada no final. O homem lá do alto do seu metro e sessenta refilava com o empregado e dizia-lhe que ele ainda lhe podia levar o carro ou assaltá-lo ou qualquer coisa do género. O empregado, no seu metro e noventa, altamente musculado ia perdendo a paciencia (e meio shopping a assistir à cena).
Infelizmente para os espectadores que já pediam uma réplica do Rambo apareceu o segurança que explicou ao senhor que sem deixar as chaves não podia deixar o carro lá estacionado (coisa que o empregado do Mr Parking já tinha explicado 400 vezes e ele não tinha percebido). Mas pronto, como é diferente discutir com o empregado do Mr Parking ou com um segurança (mesmo quando o empregado tem um corpo hipermusculado com um metro e noventa) o homem lá deixou de fazer fitas e foi arrumar o seu porche noutro lugar para ficar com as suas chavezinhas na mão.

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Faculdade

Ontem foi dia de matrículas. Levantar bem cedinho para ir a correr para a faculdade e apanhar uma das primeiras senhas. Tenho a dizer que foi FENOMENAL!!! A faculdade é excelente, o edifício onde vamos ter as aulas é novo, pelos corredores há aquele cheirinho a éter que eu adoro e médicos, alunos e pacientes cruzam-se a toda a hora. Fui toda pintadinha pelos nossos doutores que foram super simpáticos, pintaram-me as unhas de rosa shock e amarelo com purpurinas até aos pulsos e encheram-me a cara de baton vermelho. Quer os mais velhos quer os caloiros eram 5 estrelas. É uma faculdade de gente bonita (excepção de um ou outro que viu o sol pela primeira vez nos últimos 3 anos no dia das matrículas), daquela que como diz a S. "tem ar de cheirar bem do pescoço"!
Encontrei algumas pessoas conhecidas que nem me lembrava que andavam por lá e que se ofereceram logo para me emprestar apontamentos, resumos, testes, tudo o que precisasse.
Vão ser uns loooooooongos anos naquela faculdade, mas além de irem dar muitíssimo trabalho quer-me parecer que vão ser uns loooooongos anos no paraíso.

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Deste f-d-s fica...


O saltitão azul que me fez saltar do sofá e quase deixar cair o computador, as mensagens com informações altamente confidenciais (lol), as mensagens de parabéns que quando passei para papel (sim, porque eu guardo as mensagens de telemóvel mais importantes em folhinhas A4) encheram mais do que uma folha, os telefonemas até às tantas da manhã (porque poucos foram os felizardos que eu deixei dormir) , os nervos (os meus, os da família, os dos amigos e os dos conhecidos que eu consegui stressar), os telefonemas que continuei a receber (e a fazer) no dia seguinte e que ainda hoje estou a receber, e acima de tudo, a FELICIDADE de não só ter entrado no curso onde queria mas ainda no sítio onde queria.
Um grande obrigada a todos os que estiveram sempre ao meu lado, que aturaram os meus momentos de neura este ano e com quem estive (ainda que na maior parte dos casos virtualmente) neste f-d-s a partilhar um dos melhores momentos da minha vida!

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Em uma semana...







É o que dá ter montes de tempo livre e oferta constante de boa companhia para ir ao cinema ou fazer uma tarde de cinema em casa...

Dedicação de principiante

Quando se vai a uma entrevista de emprego leva-se a melhor roupa, os melhores sapatos, o melhor perfume, o melhor penteado... normalmente escolhem-se as melhores palavras e levam-se as melhores recomendações. Quando se começa a trabalhar dá-se o máximo. Fazem-se horas extra, os prazos nunca chegam ao limite e regra geral todos estão satisfeitos com o nosso trabalho. No entanto, ao fim de algum tempo as preocupações diminuem-se. Os prazos deixam de ser cumpridos, a apresentação deixa de ser tão cuidada e todas as recomendações que se tinham trazido começam a soar a coisa que o antigo patrão escreveu só para se ver livre mais depressa da pessoa em questão.
Na escola também era assim. No principio todos tinham cadernos organizadinhos, com canetas de várias cores... os sumários muito limpinhos... Número da lição à esquerda, data à direita e um pouco mais abaixo no centro aparecia um sumário com letra redondinha e cuidada. A mochila era preparada de véspera e todos os dias se verificava se no estojo não faltava nada. Claro que nos últimos dias de aulas já nada disso acontecia. Os cadernos já tinham folhas rasgadas e dos sumários já havia poucos vestígios. (Tantas vezes foram substituidos por desenhos)... As canetas de cor tinham sido reduzidas a metade. Algumas tinham-se acabado, outras tinham-se perdido... A mochila já nem sempre tinha todos os livros que devia ter e muitas vezes tinha uns quantos que já não eram precisos (era o que dava não desfazer a mochila de um dia para o outro).
A questão é: até que ponto se estende esta "dedicação de principiante"?
Sempre ouvi dizer que o primeiro ano de namoro é a "lua de mel". Será que encaramos o namoro da mesma forma que a escola ou um emprego? Será que no princípio apenas apresentamos uma falsa dedicação que mais cedo ou mais tarde acaba por cair como uma máscara? No fundo, a grande questão é: se já sabemos que mais cedo ou mais tarde a máscara vai cair, porque é que ainda há quem se dê ao trabalho de a pôr?

sábado, 6 de setembro de 2008

The winner takes it all (ou um dia numa musica)



I dont wanna talk

About the things we've gone through

Though it's hurting me

Now its history

I've played all my cards

And thats what you've done too

Nothing more to say

No more ace to play


The winner takes it all

The loser standing small

Beside the victory

That's her destiny

I was in your arms

Thinking I belonged there

I figured it made sense

Building me a fence

Building me a home

Thinking Id be strong there

But I was a fool

Playing by the rules


The gods may throw a dice

Their minds as cold as ice

And someone way down here

Loses someone dear

The winner takes it all

The loser has to fall

It's simple and it's plain

Why should I complain.


But tell me does she kiss

Like I used to kiss you?

Does it feel the same

When she calls your name?

Somewhere deep inside

You must know I miss you

But what can I say

Rules must be obeyed


The judges will decide

The likes of me abide

Spectators of the show

Always staying low

The game is on again

A lover or a friend

A big thing or a small

The winner takes it all


I don't wanna talk

If it makes you feel sad

And I understand

You've come to shake my hand

I apologize

If it makes you feel bad

Seeing me so tense

No self-confidence

But you see


The winner takes it all


The winner takes it all...

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

"Oh tempo, volta para trás..."

Das coisas que mais me assustam julgo que a pior é pensar que um dia talvez venha a dizer "Se eu pudesse voltar atrás tinha feito tudo diferente!". E porquê? Porque vivo num mundo em que tudo aquilo que faço gira em torno da construção da vida dos meus sonhos.
Talvez um dia venha a perceber como é que tanta gente acaba por pôr de parte os sonhos e viver uma vida de dia-a-dia, arrastando-se entre indiferenças ou até pesadelos. Por enquanto não consigo perceber. Para mim o sonho é a maior força que move o Homem e não há nada que possa fazer frente a esta força muito tempo neste ringue de combate que é a nossa sociedade.

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Pragmaticamente divagando

Há cerca de um ano houve uma pessoa que me descreveu como pragmática. Essa mesma pessoa enviou-me há alguns dias um e-mail em que dizia admirar a minha capacidade de organização.
É curioso ver como esse pragmatismo; essa minha organização; o meu lado prático e objectivo apenas estão presentes em algumas pequenas fracções da minha vida. Sim, sou sucinta a fazer "power points". Escolho o essencial. Muitas vezes, uma imagem e apenas uma ou duas palavras escolhidas a dedo por entre outras tantas. Sim, sou normalmente simples a escrever. Pego num tópico, escrevo organizadamente o que me passa pela cabeça e já está. Sou normalmente um poço de racionalidade (frieza?) no que diz respeito a analisar situações que não a minha. É fácil olhar para os outros e mais ou menos correctamente opinar, ou apenas pensar, sobre o que está bem; o que está mal; o que devem fazer... Mas quando chega o momento de olhar para mim; para as minhas decisões; para os meus sentimentos... é como se qualquer rasgo de pragmatismo; qualquer sombra de objectividade; qualquer vestígio de olho-que-cientificamente-analisa-a-vida se desmaterializasse.
E aí, no fundo da minha razão, posso pragmaticamente afirmar:
É (sou) o caos.

What have you done today to make you feel proud?

I look into the window of my mind
Reflections of the fears I know I've left behind
I step out of the ordinary
I can feel my soul ascending
I am on my way
Can't stop me now
And you can do the same

What have you done today to make you feel proud?
It's never too late to try
What have you done today to make you feel proud?
You could be so many people
If you make that break for freedom
What have you done today to make you feel proud?

Still so many answers
I don't know
Realise that to question is how we grow
(...)
We need a change
Do it today
I can feel my spirit rising
We need a change
So do it today
'Cause I can see a clear horizon
(...)
So what have you done today to make you feel proud?

Proud, Heather Small

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Ready to rise again

I know that it's over
But I can't believe we're through
They say that time is a healer
And I'm better without you
It's gonna take time I know
But I'll get over you

Look at my life
Look at my heart
I have seen them fall apart
Now I'm ready to rise again
Look at my hopes
Look at my dreams
I'm building bridges from these scenes
Now I'm ready to rise again

Caught up in my thinking
Like a prisoner in my mind
You pose so many questions
But the truth was hard to find
I better think twice I know
That I'll get over you

Look at my life
Look at my heart
I have seen them fall apart
Now I'm ready to rise again
Look at my hopes
Look at my dreams
I'm building bridges from these scenes
Now I'm ready to rise again

Much time has passed between us
Do you still think of me at all?
My world of broken promises
Now you won't catch me when I fall

Look at my life
Look at my heart
I have seen them fall apart
Now I'm ready to rise again
Look at my hopes
Look at my dreams
I'm building bridges from these scenes
Now I'm ready to rise again


Rise, Gabrielle
E pronto. Assim começa um novo blog. Não sei durante quanto tempo vai existir, mas enquanto penso nisso vou pondo por aqui umas coisitas. Nada de mais. Quero uma coisa simples. Umas músicas, uns pensamentos, alguns meus, outros de outras pessoas que pensaram o mesmo que eu mas souberam exprimir-se melhor. Acima de tudo, sentimentos. E vamos ver onde é que isto vai dar.