quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Jo vs. Planos

Como 4ª feira devia ter corrido:
Teria pegado no meu carrinho às 9 horas, tinha chegado ao hospital nº 1, tinha feito coisas super interessantes, tinha saído por volta do meio dia e meia para chegar ao hospital nº 2 ainda a tempo de almoçar e ir assistir às consultas de neurologia com a IL das 14:00 até hora indefinida, a apontar para as 20:00.

Como 4ª feira efectivamente correu:
Peguei no meu carrinho às 9 horas, apanhei transito até ao hospital nº 1, cheguei em cima da hora (felizmente ainda antes do médico Big Boss). Vi coisas moderadamente interessantes e saí por volta do meio dia e meia. Liguei à IL para saber se ela já tinha conseguido sair do hospital nº 3 e ela não atendeu. Calculei que ainda lá estivesse e pus-me a caminho do hospital nº 2. Cheguei ao hospital nº 2, estacionei e liguei à IL. A IL continuava a não atender, ou seja, ainda estava no hospital nº3. Olhei para o relógio e pensei: "eu demoro 10 minutos até ao hospital nº 3. Vou buscá-la e ainda chegamos a tempo de comer uma sopa antes das consultas. Senão ela não vai conseguir chegar a horas se vier de metro". Mandei-lhe mensagem a dizer que a ia buscar, tirei o carro do lugar e pus-me a caminho. Andei 100 metros e caí num buraco gigantesco. Disse meia dúzia de asneiras daquelas que não reproduzo por escrito num blog e quando cheguei a uma estrada a direito tirei as mãos do voltante para ver a direcção do carro. Parecia tudo bem.
Quando parei no semáforo seguinte olhei para o lado e tinha um taxista a gesticular dentro do carro a pedir-me muito agitado que baixasse a janela. "Oh menina, tem o pneu da frente do lado direito todo em baixo! É melhor ir a uma estação de serviço trocá-lo". Repeti desta vez para dentro as asneiras que tinha dito minutos antes e, como profunda conhecedora que sou de Lisboa, pedi logo ao senhor taxista que me explicasse onde era a estação de serviço mais próxima.
Cheguei lá, encostei o carro e mandei mensagem à IL a dizer que afinal ia ter de ir de metro porque tinha rebentado um pneu e eu ia chegar atrasada de certeza. Ela que fosse andando e explicasse à prof o que se tinha passado.
Chamei um senhor da bomba de gasolina e disse-lhe que tinha caído num burado e rebentado um pneu. E ele disse que se calhar estava só sem ar. Expliquei-lhe outra vez que tinha caído num buraco e rebentado o pneu. Ele tentou enchê-lo. O pneu vazou (que surpresa...). Depois ele disse-me: "deve ter sido um prego que se espetou". Expliquei-lhe outra vez que tinha caído num buraco e rebentado o pneu. Pediu-me para entrar no carro e andar um bocadinho para a frente só para a roda dar a volta e ele tentar encontrar o buraco do prego. Nesta altura desisti de lhe explicar que tinha caído num buraco.
Perguntou-me se queria ajuda para mudar o pneu. Disse-lhe que sim e depois lembrei-me que o meu carro não trazia pneu extra. Trazia uma pastazinha maricas para se meter no pneu furado que supostamente tapava o furo. Acontece que isso só funciona quando é efectivamente um prego. Porque quando o pneu rebenta não há pastazinha que resolva o que quer que seja. O senhor, que continuava convencidíssimo de que eu tinha um prego espetado no pneu começou a meter a pastazinha lá para dentro. Não deu em nada. Resultado: Tem de se chamar um reboque.
Recorro então ao plano P: Plano Pai. Expliquei-lhe onde estava e ele chamou um reboque e disse que ia lá ter. Nisto liga a IL a perguntar se quero que ela vá ter comigo. Expliquei-lhe que a prof nos fuzilava se não aparecessemos nas consultas e mandei-a seguir sem mim. Entretanto o meu pai chegou e ficámos lá à espera do reboque e eu a pensar que já estava no mínimo chumbada a neurologia. Mandei uma mensagem à IL a pedir-lhe que dissesse à professora que ainda ia tentar ir às consultas do fim da tarde e que se ela quisesse compensava com outro dia de consultas ou um banco. Ao que a IL me respondeu: "A prof cancelou as consultas". Pelos vistos cancelou as consultas e esqueceu-se de nos avisar (porque estarmos a correr entre hospitais não nos dá trabalho nenhum. Eu pessoalmente até adoro pagar portagens).
Chegou o reboque e fui para a oficina. Era só trocar os pneus e ir para casa. Isto se... houvesse os pneus do meu boguinhas. "Ah e tal que estes pneus saem muito pouco, temos de mandar vir, só amanhã e mesmo assim não garanto... e precisa de dois porque não pode trocar só um... e pronto, são 400 euros". 400 EUROS DOIS BOCADOS DE BORRACHA REDONDOS!!! Voltei a dizer as asneiras para dentro, porque também não se dizem asneiras ao pé do pai.
Vim para casa com o meu pai enquanto rogava pragas à prof de Neurologia que é bom que me dê boa nota já que gastei 400 euros para vir ter com ela às consultas que ela não deu. E o meu boguinhas passou a noite fora, sozinho, numa garagem escura, a preparar-se para ser amputado em ambos os membros dianteiros... Felizmente tudo correu bem e já está 100% operacional, recuperou depressa. Já o mesmo não se pode dizer da carteira do meu pai. Essa ainda vai demorar a recuperar, foi uma cirurgia bem mais agressiva...

5 comentários:

Morce disse...

GRANDE POST!! :D
A culpa é da IL, se ela tivesse atendido o telefone, não tinhas caído num buraco!
Queres que eu lhe vá bater? Eu posso!
IL: Nunca mais rejeites chamadas da Joana, de acordo? =)

su.sana | fo.to.gra.fi.a disse...

O meu bichano tinha uns três meses de utilização [cuidadosa] quando se lhe rebentou não um atacador mas um pneu, mesmo - e, UM apenas, de baixo relevo e jante de liga leve e não sei o quê mais que os tipos lá inventam, levou-me do bolso perto de 300 euros...
Quantas asneiras disse eu naquele belo dia? Pois, é melhor nem saberes...

;)

PS. Uns dias depois, tive uma falha de travões. Sim, leste bem, uma falha de travões geral num carro com 3 ou 4 meses... Oh yeah... E viva a sorte...

' disse...

Oh Morce, a culpa não é minha! A Jo é que não pensou bem, eu tinha tudo controlado! Levei o almoço de casa como faço sempre e estava lá a horas, mesmo indo de metro... Eu só não posso é atender o telefone quando estou na Urgência, consta que os doentes não acham muita piada e os médicos acham que ainda não sou importante o suficiente para o fazer :O

victinho disse...

Se quiseres eu vou ralhar com a prof. ;)
Beijokitas Joaninha

pyjaminha disse...

Bem que dia...tens a certeza que não era uma sexta feira 13?
Eh pá 400 euros é muito...
Mas se ficou tudo resolvido e não houve feridos...
Beijinhosss